A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Maior apreensão de droga de sempre na Guiné-Bissau

Maior apreensão de droga de sempre na Guiné-Bissau
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Polícia Judiciária da Guiné-Bissau incinerou hoje 789 Kg de cocaína, apreendidos no sábado, no valor de 18 milhões de euros na presença de elementos da Interpol, representantes da comunidade internacional e autoridades guineenses.

A incineração da droga foi feita a cerca de 20 quilómetros de Bissau numa zona de mato com a presença de um forte dispositivo de segurança, garantido pela Ecomib, força de interposição da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEA), destacada na Guiné-Bissau.

"Trata-se da maior apreensão de cocaína no nosso país. Esta grande quantidade de produto estupefaciente tinha como destino o Mali para depois atingir outros mercados, com particular destaque para a Líbia e Europa", afirmou a diretora da Polícia Judiciária guineense, Filomena Mendes Lopes.

No âmbito da "Operação Carapau", que decorreu durante quatro meses, foram detidas quatro pessoas, nomeadamente um guineense, dois cidadãos do Níger e um do Senegal, que se encontram em prisão preventiva, enquanto "decorre a investigação", disse Filomena Mendes Lopes.

Segundo fonte da Polícia Judiciária, um dos cidadãos do Níger detido é assessor especial do presidente do parlamento daquele país, estando em fuga um homem relacionado com Al-Qaida para o Magrebe Islâmico.

"Com esta apreensão, a Polícia Judiciária expressa novamente o seu total compromisso na luta contra o tráfico de droga, responsabilizando criminalmente e desencorajando aqueles que tentam utilizar o território para a circulação de drogas", salientou.

Domingos Correia, diretor adjunto da PJ da Guiné-Bissau

Em entrevista exclusiva à Euronews, Domingos Correia, diretor adjunto da polícia judiciária da Guiné-Bissau, admitiu a falta de recursos para o combate ao tráfico de estupefacientes

"Falta-nos tudo, desde carros para nos deslocarmos para as operações, a equipamentos para as operações, falta-nos quase tudo.", disse Domingos Correia, em entrevista à jornalista da euronews Nara Madeira, enviada especial à Guiné-Bissau.