Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

PPE aprova suspensão do partido de Viktor Orbán

PPE aprova suspensão do partido de Viktor Orbán
Tamanho do texto Aa Aa

O Partido Popular Europeu, união de partidos de centro-direita no Parlamento Europeu, suspendeu temporariamente o Fidesz, partido do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán. Antes ainda da decisão, Orbán tinha anunciado que se autossuspendia. A reunião foi marcada depois das várias acusações que recaíam sobre o Fidesz de violar os princípios europeus do estado de direito.

O líder do grupo parlamentar do PPE, Manfred Weber, da Alemanha, apoia a suspensão do Fidesz até que uma comissão independente investigue o cumprimento das regras democráticas na Hungria: "A exclusão do Fidesz não está fora da mesa, está na mesa. Temos este período em que o Fidesz está suspenso e aguardamos pela decisão do comité de avaliação. Foi um debate difícil, mas há uma necessidade óbvia de a levar a cabo", disse Weber.

Os cartazes com Jean-Claude Juncker e George Soros, considerados de campanha anti-União Europeia, foram a gota de água, mas há muito que os críticos dizem que Orbán está contra os valores europeus. O primeiro-ministro da Hungria, conhecido por ser um eurocético e pelas políticas anti-imigração, promete que não vai mudar.

Disse Orbán: "Um partido como o nosso não merece ser suspenso ou expulso. Se é esse o caso, levantamo-nos e saímos. Escolhemos uma solução que é a de suspender os nossos direitos até que este grupo de peritos acabe o relatório. Obviamente, não houve qualquer discussão de substância política. Toda a gente está obcecada com os jogos de poder. Quando intervim no debate, deixei claro que não tenho qualquer intenção de mudar a nossa política".

Nas eleições europeias de maio, espera-se uma vitória em larga escala do Fidesz. Pelo menos enquanto durar a suspensão, os deputados eleitos não vão poder juntar-se ao grupo do PPE.