Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Incerteza permanece em Westminster

Incerteza permanece em Westminster
Direitos de autor
Reuters TV via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

O fim do caos Brexit parece estar à vista. Oito votos indicativos (de inicialmente 16) foram expressos na noite de quarta-feira. Ficou claro que, esta sexta-feira, o Governo de Theresa May apresentará apenas os "papéis de divórcio" (acordo de retirada) a voto na Câmara dos Comuns, sem um quadro inteiro de relações futuras.

O presidente do Parlamento britânico, John Berkow, quer que a moção seja "nova e substancialmente diferente", ao contrário das duas anteriores. Berkow "realçou" a votação de sexta-feira.

"É crucial que façamos todos os esforços para dar efeito a isto (aprovar o acordo de retirada esta semana) e permitir que a Câmara debata esta questão importante. Não queremos estar na situação de pedir outra extensão e, claro, ter de realizar eleições para o Parlamento Europeu," declarou a líder conservadora da Câmara dos Comuns, Andrea Leadsom.

Previsivelmente, a série de "Nãos" da noite de quarta-feira não impressionou Bruxelas, que desde há muito tempo enfrenta o Parlamento britânico por ser "contra" tudo, mas não está claro sobre o que está a "favor".

"Nós contámos oito 'nãos' ontem à noite (no Parlamento Britânico). Agora precisamos de um 'sim' sobre o caminho a seguir," afirmou porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas .

A lista de pessoas e setores da sociedade enfurecidos pela indecisão do Brexit cresce a cada dia. Os negócios britânicos também mostram a sua exasperação.

1.10 DIRETOR-GERAL DAS CÂMARAS BRITÂNICAS DO COMÉRCIO, ADAM MARSHALL:

"Para Westminster, dizemos: Estamos frustrados, estamos com raiva. Desapontaram os negócios britânicos. Nós, nos negócios, devemos deixar claro que os representantes que elegemos não podem continuar a perseguir o arco-íris. Tal como nós nos negócios, eles precisam começar a tomar decisões difíceis, por mais difíceis que possam ser a nível pessoal ou político," declarou o diretor-geral das Câmaras de Comércio Britânicas, Adam Marshall.

Será que, finalmente, o sacrifício de Theresa May de renunciar se o acordo for aprovado será suficiente para concluir a etapa. A resposta será conhecida esta sexta-feira ... ou talvez não.