Reino Unido: Uma mulher insensível à dor

Reino Unido: Uma mulher insensível à dor
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jo Cameron é insensível à dor. Os cientistas estão a estudar a mutação genética na origem desta anomalia para tentarem encontrar analgésicos mais eficazes.

PUBLICIDADE

Parece mentira, mas é verdade. Esta britânica de 71 anos não sente a dor.

Joe Cameron deu-se conta de que não era normal quando, aos 65 anos, foi submetida a uma intervanção cirúrgica e surpreendeu os médicos e o pessoal hospitalar pela ausência de dor no pós operatório.

Mas, não é uma sorte, é um perigo iminente:

"Ponho o meu braço num sítio quente e só me dou conta que está a queimar quando me cheira a queimado. Não é falta de jeito. A reação normal é que nos queimemos ou nos cortemos uma ou duas vezes, depois tentamos evitar porque o nosso cérebro diz para não fazermos isso. E isto não é nada bom. Eu não tenho as defesas normais".

O caso de Jo despertou a atenção dos cientistas que encontraram o gene responsável por esta anomalia e tentam agora usar este conhecimento para criarem meios para combater a do, como explica o neurologista do University College LondonJohn Wood: "Cerca de 7% da população mundial sofre de dor crónica. Estas pessoas precisam desesperadamente de medicação. Ao encontrarmos as mutações, podemos encontrar a base para o desenvolvimento de novos analgésicos e é nisso que trabalhamos".

Na origem desta insensibilidade de Jo Cameron à dor está uma mutação genética. Em todo o mundo conhecem-se apenas duas pessoas com este tipo de mutação nos genes, embora se calculem que existem cerca de 300 que não sentem dores, por diversos fatores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Recorde de frio na Noruega com -31 em Oslo

O drama das casas engolidas pelo mar no leste de Inglaterra

Europa coberta por manto branco