Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Entrevista com o poeta Miguel Gane

Entrevista com o poeta Miguel Gane
Tamanho do texto Aa Aa

É a máxima expressão da riqueza cultural europeia e de mobilidade entre as nossas fronteiras. Miguel Gane nasceu na Roménia há 25 anos, mas os seus pais mudaram-se para Espanha quando tinha 9 anos. Este jovem poeta escreve em espanhol. Triunfou nas redes sociais, com uma poesia humana e intimista.

Cristina Giner, Euronews: O que é que te levou à poesia?

Miguel Gane: Um dos fatores foi social, estava a descobrir o idioma espanhol. Os meus pais contrataram um professor particular, chamado Rafael, que escrevia poesia. Eu aprendi castelhano, lendo poemas de Rafael e a falar sobre as palavras, o que significavam. E aí foi quando pensei escrever os meus próprios poemas. Foi isso que desencadeou.

E: Como sentes esta dualidade de ser romeno e espanhol?

MG: A minha nacionalidade continua a ser a romena , porque não podemos ter a dupla, mas é interessante a nível cultural e para trabalhar também. Por exemplo, se quero escrever um livro passado na Roménia, já sei como é, o que se passa ali. Sinto-me agradecido, porque tenho uma visão muito mais ampla do que uma pessoa que vive num só país. Creio que se tivesse nascido aqui não saberia coisas sobre a Roménia e ao contrário... Se tivesse nascido ali, não me teria interessado pela cultura espanhola, mais além do futebol. Para o meu trabalho, é uma mais-valia, porque tenho muito que contar, e a nível social, humano, também, porque conheces muita gente dos dois países e continuo a manter muitas raízes na Roménia, sobretudo amigos e familiares.

Q: O que pode a UE dar à cultura, a Espanha e à Roménia?

A: No mundo em que vivo pouco. Para nós, a União Europeia apenas está presente. Nunca tive um evento da UE. Tive de municípios, de regiões, mas nunca de nada que leve a bandeira ou o símbolo da UE. Por isso, a mim nunca me trouxe nada. A Espanha sim. Esperemos que a União Europeia se envolva mais, que os políticos que trabalham na área da cultura europeia descubram os imigrantes que estamos aqui a trabalhar em fotografia, literatura e cinema. Estou a descobrir agora o cinema romeno, que não é alimentado na Europa. A mim parece-me um meio ideal para conhecer o meu país. E ninguém conhece. Oxalá que alguém vá mais além e a nós jovens, que somos de diferentes sítios e ao mesmo tempo de nenhum, nos deem a oportunidade de fazer coisas.