Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rendas cada vez mais caras em Berlim: ativistas pedem referendo

Rendas cada vez mais caras em Berlim: ativistas pedem referendo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi a seguir ao Natal que Niklas Brubach recebeu a carta que muitos temem em Berlim. Uma notificação de que o prédio vai sofrer obras de renovação, o que significa que o preço das rendas vai triplicar.

"No princípio nem estava a acreditar que fosse verdade. Voltei a ler para ter a certeza. Depois enviei uma mensagem ao meu colega de apartamento dizendo apenas: "Aconteceu", conta.

Um antigo presidente da câmara dizia que Berlim era "pobre, mas sexy". Mas, à medida que a cidade cresce financeiramente, as rendas sobem entre 5 e 9% todos os anos, As casas a preços acessíveis, que eram comuns em Berlim, tornaram-se raras.

"Procurámos outras coisas, mas não há nada mais barato. Penso que vou ter de me mudar para o sofá de algum amigo", desabafa Niklas.

Os ativistas voltaram a lutar contra o aumento das rendas. Rousbeh Taheri elaborou uma proposta que poderá ser submetida a referendo. Visa forçar as imobiliárias a venderem de novo os apartamentos à cidade de Berlim.

"Tem a ver com expropriação. É algo previsto na constituição alemã. Muitos destes apartamentos foram já propriedade da autarquia. Por isso, só queremos as nossas casas de volta", explica.

Alguns classificam a propsta de "experiência socialista" e, sem surpresa, os construtores não gostam dela. Dizem que a única maneira de baixar as rendas é construindo cada vez mais.

A presidente da associação das imobiliárias, Maren Kern, contesta a proposta: "Nós opomo-nos a isso. Porque isso não vai aumentar as construções de apartamentos em Berlim, que são a melhor maneira de criar mais espaço de habitação na cidade".

O repórter da Euronews, Jona Kallgren, comenta: “Berlim vai, portanto, avançar como qualquer outra grande cidade europeia onde, um espaço como este, por exemplo, é simplesmente demasiado caro para a maioria das pessoas. Os ativistas dizem que vão fazer tudo para evitar que isso aconteça".