Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Boeing lamenta mortos e abranda produção do 737 MAX

Boeing lamenta mortos e abranda produção do 737 MAX
Tamanho do texto Aa Aa

A Boeing anunciou o abrandamento da produção do avião 737 MAX em cerca de vinte por cento. O fabrico da série 737 vai passar de 52 para 42 aviões por mês, anunciou o presidente da companhia de aviação norte-americana.

A decisão surge na sequência de dois trágicos acidentes envolvendo aeronaves deste modelo, devido a falha numa das funções de segurança do programa de navegação instalado nos 737 Max, modelo que acabou proibido de voar por muitos países, incluindo no espaço aéreo da União Europeia, o que está a provocar uma crescente crise em torno da fabricante.

Dennis Muilenberg, o presidente e diretor executivo (CEO) da Boeing, assumiu-se porta-voz da companhia no pesar "pelas vidas perdidas nos recentes acidentes envolvendo o 737 MAX", nos quais morreram mais de 340 pessoas.

"Todos os que voaram num, dos passageiros aos assistentes de bordo e pilotos, incluindo os nossos próprios familiares e amigos, todos merecem o nosso melhor", defendeu o alto responsável da rival da Airbus, prometendo: "Quando o MAX regressar aos céus, com as alterações no 'software' na função MCAS, vai ser um dos mais seguros aviões de sempre a voar."

Muilenberg garantiu manter a "confiança na segurança dos 737 MAX" e anunciou a criação de uma comissão no conselho de admnistração para rever o modelo de desenvolvimento e de produção de aeronaves.

A Boeing decidiu entretanto suspender a entrega de encomendas de mais aviões 737 MAX, avaliadas em milhares de milhões de dólares, até que o problema na origem destes dois trágicos acidentes no espaço de seis meses esteja solucionado.

A produção não parou e por isso a companhia está também a sofrer um problema de armazenamento com os aviões já prontos a ficarem à espera da resolução do problema de navegação.

A queda do Boeing 737 Max da Ethiopian Airlines, a 10 de março, escassos minutos após a descolagem e em que morreram 157 pessoas, foi o segundo acidente envolvendo este modelo.

A 29 de outubro do ano passado, um avião da mesma série, operado pela companhia indonésia Lion Air, caiu também logo após a descolagem, matando 189 pessoas.