Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rumo às eleições europeias: Viverone, terra de desafios

Rumo às eleições europeias: Viverone, terra de desafios
Tamanho do texto Aa Aa

A Euronews prossegue a viagem rumo às eleições europeias. Desta vez, os jornalistas Elena Cavallone e Jack Parrock estão na cidade de Viverone, no norte de Itália.

Por aqui fala-se de economia e desemprego, questões críticas a ter em conta de acordo com a população.

"Aqui não há oportunidades de emprego. Parti há muito tempo, em 1999, e já previa o abrandamento da economia. Depois queria vivenciar a experiência de ter mais mundo. O Reino Unido pareceu-me uma boa opção. Tinha amigos lá, o que me facilitou a mudança. É sempre muito triste voltar a Viverone porque não vejo grandes mudanças. É uma zona bonita. Podiam-se fazer muitas coisas mas o problema é a teimosia das pessoas e alguma corrupção no Governo - tem de se dizer - dificulta sempre a mudança", explica Sara Falla, que cresceu em Viverone.

Uma mudança que é cada vez mais urgente até porque há outros obstáculos, como lamenta o residente Sigismondo: "O maior problema é o trabalho porque há muito desemprego. Aliado a isto existe um conjunto de incompetentes no Governo. Pensavam que bastava chegar ao poder e usar propaganda para resolver os problemas, mas como podemos perceber não funcionou."

Paolo, outro residente, acrescenta: "Em relação à economia, a situação em Itália é muito difícil. Vejo muitos problemas porque deixam os empresários sair do país e são eles que conduzem a economia e criam emprego. Se os deixarmos partir, está claro que haverá desemprego e não serão criados trabalhos. Ao criar empregos só no setor público a dívida aumenta e já é demasiado elevada em Itália. Desta forma não resolvemos problemas, multiplicamos."

Com nacionalidade alemã, Simon Roscow mantém um relacionamento com Sara Falla, que cresceu em Viverone. Considera que a Europa mudou mas ainda há desafios: "Se pensarmos desde a II Guerra Mundial até agora só existe uma geração pelo meio. Penso que para muitas pessoas pode ser uma grande mudança. Os mais novos nasceram na Europa e não conhecem nada mais além da Europa. Para eles é normal viajar para onde quiserem e não distinguem muito entre França ou Itália. Tenho muitos amigos que já trabalharam em toda a Europa aos 25 anos de idade. Penso que os mais velhos talvez estejam mais ligados ao lugar de origem."