Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Finlândia: Sociais-democratas favoritos nas legislativas

Finlândia: Sociais-democratas favoritos nas legislativas
Tamanho do texto Aa Aa

A Finlândia realiza este domingo eleições legislativas com as sondagens a mostrarem como favoritos os sociais-democratas, na oposição, apoiados por um eleitorado disposto a castigar o governo de centro-direita pela austeridade dos últimos quatro anos.

O executivo de coligação entre os centristas, conservadores e nacionalistas, liderado por Juha Sipila, entrou em funções quando o país registava três anos consecutivos de recessão.

Cortes significativos foram aplicados na educação, saúde e prestações sociais e, segundo números oficiais, a economia recuperou, registando um crescimento médio anual de 2% e uma redução do défice público dos 3,2% de 2014 para 0,6% em 2018.

Os efeitos dos cortes fizeram-se sentir sobretudo entre os pensionistas, famílias com crianças, estudantes e desempregados, e as sondagens refletem o desagrado dos eleitores com o governo.

O mais castigado é claramente o Partido do Centro de Sipila, que na mais recente sondagem, divulgada na quinta-feira pela televisão Yle, deverá passar para quarta força política, com 14,5%, menos 6,6 pontos percentuais que nas eleições de 2015.

Em contrapartida, o Partido Social-Democrata (SDP), de Antti Rinne, que nas últimas legislativas teve o pior resultado da sua história, surge agora como partido mais votado, com 19%, o que, a confirmar-se, o coloca em posição de formar governo.

Reuters
Antti RinneReuters

Os outros dois partidos do governo de Sipila – o Partido da Coligação Nacional (Kokoomus, conservador), do ministro das Finanças, Petteri Orpo, e os Verdadeiros Finlandeses (nacionalista) – são menos penalizados, alternando nas sondagens como segundo e terceiro partidos, com percentagens entre os 15,9 e os 16,3.

Os Verdadeiros Finlandeses, que foram expulsos do governo de coligação em 2017, parecem animados de um ‘terceiro fôlego’, que analistas atribuem ao endurecimento do discurso anti-imigração.

O partido foi uma formação marginal até às eleições de 2011, quando duplicou a sua votação, para os 19%, e tornou-se na terceira força política da Finlândia.

Nas legislativas de 2015, os Verdadeiros Finlandeses obtiveram 17,6%, com o voto sobretudo das classes trabalhadoras, e entraram para o governo de coligação de centristas e conservadores. Na altura, o partido tentou amenizar a sua imagem internacional, mudando o nome oficial em inglês para Finns Party (Partido dos Finlandeses), embora mantendo a designação Verdadeiros Finlandeses nas duas línguas oficiais, finlandês e sueco.

A meio da legislatura, marcada pela política de austeridade e pela chegada ao país de milhares de refugiados, o partido tinha perdido quase metade do apoio popular, registando 10% das intenções de voto.

Reuters
Jussi Halla-aho na mesa de votosReuters

Por essa altura, 2017, o deputado da ala mais radical e xenófoba do partido, Jussi Halla-aho, foi eleito presidente da formação, o que levou a um endurecimento da linha política e acabou com a expulsão dos Verdadeiros Finlandeses do governo e com uma cisão interna, com os moderados a formarem um novo partido, o Reforma Azul, que integrou a coligação governamental.

Na referida sondagem da Yle, os Verdadeiros Finlandeses recolhem 16,3% de votos e a Reforma Azul apenas 0,8%, arriscando ficar fora do parlamento.