A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Tempo de negociações em Helsínquia

Tempo de negociações em Helsínquia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As legislativas do passado domingo na Finlândia deixaram os sociais-democratas do SPD e os populistas do PS (Partido dos Verdadeiros Finlandeses) quase empatados, num resultado que deixa antever uma fase de negociações complicada para a formação de Governo.

Os finlandeses mostraram-se preocupados com a questão da migração, com os temas ligados à segurança social, reforma e saúde, mas também com o meio ambiente e a mudança climática.

Espera-se que os social-democratas consigam 17,7% dos votos e que os populistas eurocéticos do Partido dos Verdadeiros Finlandeses conseguiram 17,5%.

O Partido do Centro do primeiro- ministro Juha Sipilä (centro-direita), parte da coligação nacional atualmente no Governo, obteve 13,8% dos votos. No seu conjunto, os partidos da coligação recolheram 17% dos votos, menos do que os populistas.

Um longo período de negociações

Foi a primeira vez em quase um século que os chamados partidos tradicionais não conseguiram pelo menos 20% dos votos numas legislativas.

Com um parlamento altamente fragmentado em Helsínquia, espera-se agora um longo período de negociações para a formação de um novo Executivo, já que várias das forças com lugar na assembleia disseram que não tinham a intenção forjar qualquer aliança com o Partido dos Verdadeiros Finlandeses, com marcada vertente eurocética.

Os partidos com mais votos deverão, por outro lado, pôr-se de acordo relativamente a vários temas, como o crescente gasto com os serviços públicos, e a entrada de emigrantes em solo nacional, especialmente a quem chega fora do espaço europeu.

A Finlândia tem o chamado modelo social nórdico, com uma presença forte do Estado em termos de proteção social ao cidadão e goza de um dos mais elevados níveis de vida na União Europeia e no mundo. Um modelo a preservar, diz a esquerda, apesar dos elevados impostos, que, para a direita, estão demasiado elevados.