Última hora

Última hora

ONGs procuram libertar reféns raptados pelo Estado Islâmico

ONGs procuram libertar reféns raptados pelo Estado Islâmico
Tamanho do texto Aa Aa

As organizações de auxílio humanitário Comité Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho anunciaram as identidades de três trabalhadores de auxílio humanitário raptados há seis anos na Síria.

O grupo consiste em dois condutores sírios, Alaa Rajab e Nabil Bakdounes e uma enefermeira neo-zelandesa, Louisa Akavi.

Ambas as organizações esperam que a derrota do grupo Estado Islâmico na Síria possa levar à libertação dos trabalhadores de auxílio em breve.

A enfermeira neo-zelandesa Louisa Akavi foi raptada em 2013. Um dos familiares apela à sua libertação.

"A Louisa é uma enfermeira muito experiente que conhecia os riscos do trabalho. A nossa família está muito orgulhosa dela e do trabalho ao qual dedicou a vida. Ela tem bondade no coração e é por isso que se tornou enfermeira", diz Tuaine Robati, familiar da vítima de rapto.

O governo neo-zelandês confirmou que também está envolvido nas operações de busca e localização da enfermeira.

"O Comité Internacional da Cruz Vermelha liderou este processo, trabalhamos em conjunto, não há uma altura certa ou errada. Com a queda do califato, o risco é saber se podemos lançar um apelo à ação baseado na obtenção de mais informações", adianta Niamh Lawless, secretária-geral da Cruz Vermelha da Nova Zelândia.

Foi no mês passado que as forças norte-americanas capturaram o último bastião do grupo Estado Islâmico na Síria colocando um ponto final no califato que o grupo havia declarado em 2014.