Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Morte de jornalista leva políticos a apelar à paz na Irlanda do Norte

Morte de jornalista leva políticos a apelar à paz na Irlanda do Norte
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dois dias após os motins de Londonderry, que provocaram a morte da jornalista Lyra Mckee, sucedem-se os apelos à paz e à tranquilidade dos líderes políticos da Irlanda do Norte.

Os receios em relação à estabilidade da região estão a aumentar, num clima ao qual o Brexit não é alheio.

O Serviço de Polícia da Irlanda do Norte (PSNI) disse que Lyra McKee foi baleada e morta, provavelmente por uma bala perdida. Lyra estava no local durante o motim que estava a acontecer nas ruas de Creggan, na cidade de Derry. A jornalista foi levada para o hospital e acabou por não resistir aos ferimentos.

As autoridades confirmaram já a detenção de dois suspeitos. No entanto, a companheira de Lyra, Sara Canning, já apelou a que a morte da jornalista tenha uma real importância para o país.

Numa vigília em memória de Lyra, Sara pediu para que a morte da companheira não tivesse sido "em vão" e que ela "era uma luz na vida dos que a rodeavam".

Dos Unionistas de Arlene Foster aos nacionalistas do Sinn Fein, a classe política mobilizou-se em peso.

Com a bandeira do arco-íris na mão, um símbolo de tolerância, Mary Lou McDonald, líder do Sinn Fein, disse que o gesto era um tributo a Lyra Mckee, descrevendo-a como "uma ativista, jornalista, filha do processo de paz e uma mulher que não devia morrer com apenas 29 anos".