Última hora

Última hora

Falta de apoio financeiro não impede teatro da Rocinha

Falta de apoio financeiro não impede teatro da Rocinha
Tamanho do texto Aa Aa

Os moradores da Rocinha, uma das maiores favelas do Rio de Janeiro, saíram à rua para ver a peça de teatro recriada pelo grupo de teatro do bairro. O grupo recriou a Via Sacra pelo 27º ano consecutivo.

A performance foi vista por centenas de pessoas. Os temas: violência, perseguição e injustiça estiveram presentes no palco da favela, sítio que conhece de perto estes mesmos temas.

O grupo de teatro da Rocinha, responsável pela peça, já existe há mais de 25 anos. Foi criado para desenvolver consciência social num meio difícil, como o da favela em questão. Mas, ao que parece, dificil é manter o grupo vivo. Os membros e diretor da peça queixam-se de falta de apoio do governo.

"Num momento como este que estamos a viver, se eles (governo) não olham para a educação, se não olham para a saúde, o que podemos nós esperar da cultura?", admitiu Jefferson Messias, o ator que interpreta Jesus na peça. "A Via Sacra é sobre resistência e nós fizemos esta performance na rua para podermos dizer: não podemos parar.", concluiu.

Também o diretor artístico da peça, Robson Mello, admitiu a falta de ajuda por parte do governo.

"Neste 27 º aniversário de performances, não obtivemos absolutamente nada. Na verdade, a Prefeitura do Rio ainda deve dinheiro às empresas de som, palco e estrutura que trabalharam no ano passado", disse Robson Mello.

O grupo costumava ter cerca de 60 participantes, mas este ano participaram 35, todos eles voluntários e moradores da Rocinha.

O desempenho anual atrai grandes multidões e é considerado parte da herança cultural do Rio.