A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

As eleições ucranianas vistas de Moscovo

As eleições ucranianas vistas de Moscovo
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições presidenciais ucranianas do passado domingo não passaram despercepidas para o vizinho do norte. A Rússia seguiu o escrutínio com atenção, com a imprensa e os líderes políticos com opiniões muito claras acerca do que a eleição de Volodimyr Zelenskiy significa.

Em entrevista à Euronews, Konstantin Kosachev, da Assembleia Federal Russa, disse que os ucranianos estavam fartos do discurso contra Moscovo:

"Para mim, o mais importante das eleições não é a vitória de Zelensky, mas a derrota esmagadora de Poroshenko," explicou.

"Os 25% que recebeu são uma avaliação do seu mandato de cinco anos. E também do programa anti-russo que construiu e da falta de resultados no que diz respeito à guerra com a Rússia."

A correspondente da Euronews em Moscovo, Galina Polonskaya, contra que as eleições de domingo na Ucrânia dominaram as primeiras páginas dos principais jornais moscovitas.

"Muitos citam o que definem como o apelo de Vlodimiyr Zelenskiy a um espaço pós-soviético, um apelo a uma Ucrânia onde tudo parece possível," explica.

Se a Rússia apresenta um poder regional inquestionável na região, a verdade é que partilha uma história comum com a Ucrânia, com laços muito anteriores ao período soviético.

Os últimos anos, marcados por violentos conflitos, tanto no leste da Ucrânia, como na Península da Crimeia, não chegam para apagar o que aproxima os dois países eslavos.