Eleição presidencial da Macedónia do Norte vai ter segunda volta

Eleição presidencial da Macedónia do Norte vai ter segunda volta
Direitos de autor REUTERS/Ognen Teofilovski
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Stevo Pendarovski e Gordana Siljanovska-Davkova são os dois candidatos que vão disputar a segunda volta da eleição presidencial na Macedónia do Norte.

PUBLICIDADE

Na Macedónia do Norte a eleição presidencial deste domingo ditou a passagem à segunda volta do candidato social democrata Stevo Pendarovski, e da candidata da direita, Gordana Siljanovska-Davkova.

Pendarovski está confiante e afirma: "A segunda volta será mais fácil. Porquê? Porque a diferença entre mim e Gordana Siljanovska é enorme. Acredito que isso contribuirá para o reforço do conceito de" avançar juntos ", porque sabemos que regredir não é uma opção, voltar a trás significa bloqueio e crise. "

"A economia e o emprego serão a prioridade, como sempre, na segunda volta, para uma vida melhor. Mas, não pode haver economia na Macedónia sem um Estado de Direito", afirma, por seu turno, Gordana Siljanovska-Davkova.

A taxa de participação nesta primeira volta foi historicamente baixa: 41,9%. A campanha foi dominada pelas profundas divisões nacionais sobre a mudança do nome do país para a República da Macedónia do Norte.

Pró-ocidental, Pendarovski é um firme defensor do Acordo com a Grécia; a sua rival considera o acordo "degradante".

Os 1,8 milhões de eleitores da Macedónia do Norte voltam a ser chamados às urnas a 5 de maio. Veremos se terão motivação suficiente para uma taxa de participação acima dos 40%, o mínimo constitucional para validar o escrutínio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primárias no Michigan: Biden vence corrida dos democratas e Trump triunfa entre republicanos

Operação Influencer. Alegações do MP consideradas “vagas” mas há risco de decisões contraditórias

Governo romeno decide juntar eleições autárquicas e europeias no mesmo dia, oposição está contra