Última hora

Última hora

“Esperamos não ter de impor tarifas uns aos outros"

“Esperamos não ter de impor tarifas uns aos outros"
Tamanho do texto Aa Aa

A guerra dos céus ameaça impor-se na terra, A contenda entre a União Europeia e os Estados Unidos a propósito dos subsídios ao setor aéreo está a por em causa os laços comerciais entre os dois blocos. Uma guerra comercial, em que os americanos ameaçaram com tarifas sobre a importaçâo num valor superior a 9 mil e 800 milhões de euros (11 mil milhões de dólares) e Bruxelas retaliou com uma lista de produtos "made in USA" a taxar, no valor de quase 18 mil milhões de euros (20 mil milhões de dólares).

Mas antes da concretização, a Comissão Europeia diz esperar ainda chegar a acordo com os Estados Unidos.

Cecilia Malmström, comissária europeia para o Comércio, falou com a Euronews sobre o tema, numa entrevista para o programa "The Global Conversation".

“Esperamos não ter de impor tarifas uns aos outros, esta é uma via paralela que já dura há 14 anos e muitas investigações disseram que tanto a Uniâo Europeia, como os Estados Unidos fizeram algumas coisas erradas. Portanto, nós temos os direitos legais de impor tarifas uns aos outros, mas o melhor seria não fazer isso, mas sentarmo-nos e vermos em conjunto como podemos resolver esta questão no futuro, como podemos estabelecer normas e padrões para os subsídios à aviação, também com o resto do mundo. E é isso que oferecemos aos Estados Unidos, porque seria muito prejudicial para eles e para nós a aplicação de tarifas”, afirma.

Em busca de novos parceiros, a União Europeia vê na China uma porta aberta. Uma cooperação possivel, dizem os europeus, se todos jogarem pelas mesmas regras.

“Também estamos a tentar dizer à China que eles têm que seguir regras internacionais e padrões multilaterais porque a maneira como estão a subsidiar as próprias empresas, por exemplo, está fazer dumping dos mercados internacionais e isso está a prejudicar produtores e consumidores em todo o mundo. Portanto, eles precisam de seguir as regras de comércio mundiais e nós precisamos de trabalhar com eles para desenvolver novas regras. Estamos a trabalhar nesta questão, portanto espero que a China possa assumir uma maior responsabilidade, fortalecendo e obedecendo às regras multilaterais, porque também têm sido muito boas para a China”, acrescenta Malmström.

A estrevista completa a Cecilia Malmström, comissária europeia para o Comércio, é emitida segunda-feira, na Euronews, em "The Global Conversation".