Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Rumo às Eleições Europeias: "Aldeias Fantasma" da Bulgária

Rumo às Eleições Europeias: "Aldeias Fantasma" da Bulgária
Direitos de autor
Euronews
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A RoadTrip pela Europa continua na Bulgária e, desta vez, passou pelo noroeste do país.

Na região mais pobre da União Europeia, Bryan Carter e Apostolos Staikos, jornalistas da euronews, foram visitar as chamadas "aldeias fantasma”.

Kanitz tem quatro habitantes. Há 30 anos, mais de 100 pessoas viviam na aldeia. Agora, só há edifícios vazios e abandonados, relíquias de uma época em que a vida florescia.

Petko Nikolov é um dos habitantes.

“Muita gente vivia aqui. Havia um meio de subsistência, havia animais. Depois da coletivização de 1956, ficámos com uma grande herdade coletiva. Agora, não há ninguém. Às segundas e às sextas-feiras, vou à aldeia mais próxima porque aqui não tenho ninguém com quem falar. Muita gente está a morrer, os meus amigos estão mortos, pessoas com quem eu costumava trabalhar. Vivo com o meu gado. Se não fossem os meus animais e a minha televisão, eu morria aqui. Não haveria ninguém com quem falar. Quando falo com alguém ao telefone, demoro horas. Não há futuro aqui.

Apostolos Staikos: Antes de virmos para cá, lemos muito sobre as “aldeias fantasma” na Bulgária. Mas, na verdade, ver uma é chocante e faz-nos sentir muito tristes. Mas os tempos estão a mudar.

Bryan Carter : Sim, os tempos estão a mudar para o melhor e para o pior. Penso que hoje em dia o êxodo rural continua na Bulgária e em outros Estados-Membros. Algumas aldeias da União Europeia talvez estejam completamente vazias daqui a 20 ou 30 anos.

O que aconteceu em Kanitz pode acontecer em breve na aldeia vizinha de Rabrovo. A escola local fechou recentemente e apenas 250 pessoas vivem aqui, metade da população de há 30 anos.

Galina Vakaritzova é a autarca da aldeia.

“Sinto-me muito triste, muito perturbada pelo estado da nossa aldeia. Eu vivo aqui há 30 anos e havia tantas pessoas aqui. Agora, quando vou trabalhar de manhã, não há ninguém. E à tarde é a mesma coisa. Era muito melhor naquela época.

O encerramento de fábricas e a privatização das terras depois da queda do comunismo, no final da década de 1980, são as principais razões que afastaram os moradores destas aldeias. Hoje, os jovens continuam a sair para as cidades para encontrar trabalho e a maioria dos que permanecem tem mais de 60 anos e vive com reformas de menos de 150 euros por mês.

A presidente da câmara de Rabrovo diz que a União Europeia ajudou aldeias a construir infra-estruturas e a criar programas de trabalho para os residentes. No entanto, acredita que serão necessários empregos e principalmente oportunidades de carreira para convencer a força de trabalho da Bulgária a regressar a uma das 600 aldeias do país que ficaram sem população.