Última hora

Acidente de avião em Moscovo: 41 mortos e três feridos em estado grave

Avião do voo SU1492 em chamas após aterragem de emergência em Sheremetyevo
Avião do voo SU1492 em chamas após aterragem de emergência em Sheremetyevo -
Direitos de autor
REUTERS/Nadezhda Polomoshnov
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 41 pessoas morreram, incluindo duas crianças e um cidadão norte-americano, na sequência da aterragem de emergência de um avião comercial, este domingo ao final da tarde, em Moscovo, no aeroporto internacional de Sheremetyevo, o maior da Rússia.

O aparelho, um Sukhoi Superjet-100 operado pela Aeroflot para cumprir o voo SU-1492 entre Moscovo e Murmansk, transportava 73 passageiros e cinco tripulantes.

Além das vítimas mortais já confirmadas, pelo menos cinco pessoas tiveram de receber assistência no hospital, adianta a agência de notícias russa, TASS. Outra agência local, a Ria Novosti, adianta que pelo menos três dos feridos ficaram em estado grave.

O avião estabelecia a ligação entre Moscovo e Murmansk, num voo previsto para duas horas. Tinha a partida prevista para as 17:50 (15:50, em Lisboa), descolou com apenas sete minutos de atraso.

Um problema ainda por esclarecer viria a interromper o voo SU-1492. A rota efetuada pelo avião mostra-nos um voo circular sobre o aeroporto e uma primeira tentativa de aterragem que terá falhado devido às condições climatéricas adversas, adianta a TASS.

À segunda, o Sukhoi Superjet-100 conseguiu pousar, mas o trem de aterragem partiu-se e incendiou os motores.

Vídeos registados alegadamente no interior do avião, difundidos pelo jornal digital russo Life, mostram as chamas no exterior e deixam perceber os momentos de tensão e medo vividos no interior do aparelho.

O incidente levou ao fecho temporário do tráfego aéreo no aeroporto de Sheremetyevo, obrigando a desviar alguns voos e a atrasar a aterragem de outros.

Foi o caso do voo oriundo da China onde seguia Stanislav. "Eles queriam aterrar em Domodedovo, outro aeroporto de Moscovo, devido ao mau tempo, disse-nos o capitão. Mas após quinze minutos, ele disse que seria por fim em Sheremetyevo. Aterrámos e só depois nos apercebemos da tragédia", revelou este passageiro de um outro voo.

Uma investigação ao incidente foi aberta pelas autoridades russas, sob liderança de

Evgeny Dietrich, o ministro dos Transportes da Federação Russa, adiantou a porta-voz do departamento moscovita da Comissão de Investigação Russa.

Yelena Markovskay precisou ainda que os 37 sobreviventes doa tragédia incluem 33 passageiros e quatro tripulantes.

Pelo menos uma das pessoas assistidas no hospital terá sofrido um enfarte, desconhecendo-se se é a mesma que tem de estar ligada a um ventilador na clínica Sklifosovsky.

Existem rumores da existência entre as vítimas mortais de um cidadão norte-americano, identificado como Jeremy Brooks. A informação é avançada pela agência TASS, citando uma fonte dos serviços de emergência russos. As autoridades de Washington ainda não comentaram esse rumor.

A lista de vítimas estava ainda a ser verificada quando foi anunciada a decisão de indemnizar as famílias das vítimas mortais com um milhão de rublos (quase de 14 mil euros) e com 500 mil rublos (quase sete mil euros) os feridos.

"Vamos apoiar as famílias de todas as vítimas. O documento será assinado amanhã", precisou o recém nomeado governador interino da região de Murmansk. Andrey Chibis acrescentou ainda a decisão de decretar três dias de luto em Murmansk.

O aeroporto de Sheremetyevo já retomou, entretanto, os voos com destino a Murmansk.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.