Última hora

Última hora

Jeremy Corbyn admite segundo referendo sobre o Brexit

Jeremy Corbyn admite segundo referendo sobre o Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

O líder do partido trabalhista britânico prometeu unir um país "dividido" depois do referendo sobre a saída do bloco europeu.

No lançamento da campanha para as eleições europeias, Jeremy Corbyn responsabilizou a primeira-ministra pela falta de consensos no dossier Brexit e, mais uma vez, acusou Theresa May de não ter disponibilidade para acordo.

"As conversações que mantemos com o governo têm sido difíceis porque, como eu disse, o próprio governo está a organizar-se internamente. Queremos proteger empregos, proteger o comércio e proteger os direitos que alcançámos. Voltámos a reunir-nos ontem e, em breve, haverá uma nova reunião. Mas, muito honestamente, penso que o governo tem de mudar as suas prioridades".

Jeremy Corbyn considera que os britânicos estão frustrados depois de "três anos de más negociações" e deixa em aberta a hipótese de um segundo referendo sobre o Brexit.

“É do interesse do país tentar resolver isto de uma forma ou de outra, mas não podemos aceitar um mau acordo do governo ou um desastroso "não acordo". Se não conseguirmos um acordo sensato segundo o nosso plano alternativo ou uma eleição geral, os trabalhistas apoiam a opção de uma nova votação pública".

Desde o início de abril, o partido trabalhista mantém negociações com o governo. O objetivo é conseguir um entendimento que permita formar uma maioria no parlamento de Londres e um acordo sobre a saída da União Europeia.

A nova extensão do Brexit vai até ao dia 31 de outubro.