A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

EUA e China sem acordo em nova ronda de negociações

EUA e China sem acordo em nova ronda de negociações
Direitos de autor
REUTERS/Damir Sagolj/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sobe de tom a guerra comercial entre os EUA e a China. Depois da entrada em vigor de mais um conjunto de taxas alfandegárias sobre bens provenientes da China no valor de 250 mil milhões de dolares, as negociações desta sexta-feira entre os dois países não chegaram a bom porto.

O presidente dos EUA, Donald Trump, deixou mesmo o aviso de que "não há pressa" para chegar a um acordo que ponha fim à guerra comercial que se arrasta desde 2018.

O presidente americano recorreu ao Twitter para reforçar que as novas tarifas vão deixar a economia do país mais forte e que bastava esperar para ver, apesar dos receios manifestados em várias bolsas mundiais.

A tensão aumentou ainda mais após Trump ter anunciado o objetivo de aplicar mais taxas em 325 mil milhões de dólares de importações chinesas.

Menos expansiva nos comentários foi a delegação de Pequim, liderada pelo vice-primeiro-ministro, Liu He.

Segundo a imprensa americana, Liu He terá dito aos jornalistas já após a reunião em Washington que as conversações correram "relativamente bem".

No entanto, a imprensa chinesa anunciou ao início da noite que os dois países irão ter uma reunião em breve, desta feita em Pequim.

Sem um fim à vista, cresce a incerteza sobre o impacto desta guerra comercial nas outras economias mundiais.

(notícia atualizada às 19h00, hora de Portugal continental)