Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O futuro da energia solar

O futuro da energia solar
Tamanho do texto Aa Aa

A energia solar concentrada tem o potencial de levar energia a áreas remotas do mundo. No entanto, apresenta uma grande falha: tem uma grande necessidade de água.

Este tipo de energia solar está perfeitamente adequada aos desertos, pela luz solar que proporcionam, mas a areia e as poeira significam que todos os espelhos precisam de uma limpeza regular, usando água preciosa.

Espanha

No centro de testes da Plataforma Solar de Almería, os cientistas estão a trabalhar em mecanismos de poupança de água, como, por exemplo, em barreiras para impedir que a poeira chegue aos espelhos.

"A barreira que está a funcionar melhor tem uma geometria plana. Comparada com a curva, obtemos resultados ligeiramente melhores e se compararmos com a barreira natural, os resultados são espetaculares. Com a barreira artificial conseguimos bloquear até 50% das partículas e impedi-las de entrar no campo solar", explica Aránzazu Fernández-García, investigadora do CIEMAT-Plataforma Solar de Almería

A limpeza dos espelhos gigantes usa muita água. Os investigadores estão a testar um sistema de limpeza ultrassónica, que usa menos água, como parte de um projeto da União Europeia.

Aránzazu Fernández-García revela que estão "a usar um sistema manual para realizar experiências durante um ano, a partir do qual vamos obter resultados sobre o consumo de água, o consumo de eletricidade... E o próximo passo será aplicá-lo numa central de energia solar em funcionamento e testar o sistema de forma automática".

Revestimentos especiais para impedir a sujidade estão em teste. Hoje é possível saber quando as superfícies precisam de limpeza, através de medições feitas à mão, mas este sensor faz o trabalho automaticamente e um protótipo de refrigerador de água híbrido, com torres de arrefecimento húmidas e secas, acaba de ser instalado.

França

Em França, os investigadores estão a trabalhar num tipo diferente de refrigerador que usa jatos de névoa de água.

A energia solar concentrada tem uma grande vantagem sobre os painéis solares mais comuns: o calor produzido pode ser armazenado e usado por muito tempo após o pôr do sol, por isso é uma tecnologia que vale a pena refinar através de refrigeração e limpeza inteligentes.

"Estamos a adicionar um sistema de névoa de água que vai refrigerar o ar antes que de ele chegar aos permutadores de calor, para termos um sistema de refrigeração muito mais eficiente. Devemos ser capazes de reduzir o consumo de água em mais de 90%, comparativamente a um refrigerador tradicional", conta Delphine Bourdon, coordenadora do projeto WASCOP.

A equipa está também a trabalhar num mecanismo inovador para armazenar ar frio: este tanque, que é preenchido com camadas de rocha e água.

O sistema armazena o ar fresco da noite para arrefecer o condensador da turbina, sem recurso a água.

Christophe Dumas, da Central solar de Cadarache afirma que "a central de energia solar condensada poderá ganhar relevância nos próximos anos, face à intermitência das energias renováveis. Nestas centrais será possível produzir e armazenar eletricidade 24 sobre 24 horas a preços competitivos".

Muitas dessas experiências vão brevemente ser testadas em centrais elétricas em funcionamento e poderão estar disponíveis no mercado dentro de três anos.