Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Protestos contra a mais restritiva lei antiaborto dos EUA

Kelli Thompson canta durante a Marcha pela Liberdade Reprodutiva
Kelli Thompson canta durante a Marcha pela Liberdade Reprodutiva -
Direitos de autor
REUTERS/Michael Spooneybarger
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas, incluindo mulheres e crianças, desfilaram este domingo rumo ao capitólio do Alabama, nos Estados Unidos, em protesto contra a nova lei antiaborto aprovada na semana passada neste estado e da qual até o presidente dos Estados Unidos se distanciou.

No Alabama, com votos de 25-6 no senado estatal dominado pelos Republicanos, o aborto passou a ser crime praticamente em todos os casos exceto quando a mãe corre perigo de vida ou quando o feto apresenta uma confirmada anomalia fatal. A violação e o incesto passaram a ser tolerados na apreciação dos motivos para se proceder à interrupção voluntária e assistida da gravidez.

Os senadores democratas tentaram incluir a violação e o incesto como exceções no texto da lei, mas essa moção foi rejeitada por 11-21 votos.

Pelo Twiter, no sábado à noite (já manhã de domingo, em Lisboa) Donald Trump voltou a sublinhar ser contra o aborto, mas, sem se referir diretamente ao Alabama, sublinhou três exceções, incluindo os casos de violação e incesto, algo que no Alabama está agora ausente das exceções para permitir a interrupção voluntária da gravidez.

A nova lei, definida pelo código HB314 e também denominada como Ato de Proteção da Vida Humana do Alabama, tem por base a Constituição estatal de 1901, na qual não está previsto o direito ao aborto nem ao requerimento de fundos públicos para uma interrupção assistida de gravidez.

O texto da lei compara a realização de um aborto ao genocídio de judeus pelos nazis, às execuções nos "gulags" soviéticos ou ao massacre de milhões de pessoas no Camboja pelos khmer vermelhos.

A punição prevista vai até 99 anos ou perpétua para quem ajudar a fazer um aborto, nomeadamente o pessoal médico, não estando prevista punição para quem a mulher que aborta.

Após a aprovação, a Governador republicana Kay Ivey ratificou na terça-feira a nova legislação, cuja implementação demorará pelo menos seis meses até se tornar lei.

O agravamento das medidas punitivas para quem fizer ou ajudar a fazer um aborto levou centenas de mulheres a reclamar este domingo o direito sobre o próprio corpo.

As manifestantes empunhavam cartazes onde se podia ler, por exemplo, "o meu corpo, a minha escolha", "parem a guerra contra as mulheres" ou "mantenham a vossa ideologia fora da minha biologia."

A medida restritiva da interrupção voluntária da gravidez no Alabama teve ecos também na Europa. O tema motiva o debate de forma quase universal e no sábado chegou também à passadeira vermelha do Festival de Cinema de Cannes.

Na estreia de um filme chinês, dezenas de mulheres aproveitaram os holofotes para se manifestarem pelo direito ao aborto.

O protesto aconteceu depois de o festival ter exibido o documentário argentino "Que sea Ley" sobre as mulheres em luta pelo direito ao aborto na Argentina.