Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Réplicas do terramoto" continuam a atingir a Huawei

"Réplicas do terramoto" continuam a atingir a Huawei
Tamanho do texto Aa Aa

É um rude golpe para a Huawei. A Alphabet, empresa-mãe da Google, suspendeu todos os negócios com a gigante chinesa que exijam a transferência de hardware, software e serviços técnicos, exceto os que estão disponíveis através de licensas de código aberto. A Google assegurou que os utilizadores dos smartphones da Huawei vão continuar a ter os serviços básicos da empresa norte americana, apesar das restrições impostas pelo presidente dos Estados Unidos às relações comerciais com a tecnológica chinesa.

As norte-americanas Intel, Qualcomm e Broadcom vão juntar-se ao bloqueio. A empresa alemã Infineon Technologies também suspendeu as entregas à Huawei. "A fabricante alemã de chips Infineon tem uma forte presença nos Estados Unidos e nós sabemos que os Estados Unidos apelaram a um boicote aos equipamentos da empresa chinesa Huawei. Em vez de verem os negócios da Infineon afetados, eles estão preparados para pôr a Huawei na lista negra", frisa o analista Robert Halver.

A Huawei disse que vai continuar a fornecer atualizações de segurança e serviços para os seus smartphones e tabletes.

Segundo o Dinheiro Vivo, a empresa portuguesa Aptoide está a negociar uma parceria com a Huawei para ser alternativa à Google.