Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Jeremy Corbyn rejeita novo acordo para o Brexit

Jeremy Corbyn rejeita novo acordo para o Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

O Brexit está de volta à casa de partida. A Câmara dos Comuns terá de votar a reformulação do documento para a saída do Reino Unido da União Europeia.

Theresa May, para quem o Brexit sempre significou brexit, admite agora deixar a porta aberta a um segundo referendo.

"Devíamos estar a implementar o resultado do primeiro referendo e não a pedir ao povo britânico para votar num segundo, mas reconheço a genuína e sincera vontade, em toda a câmara, sobre esta importante questão. O governo irá, portanto, incluir na lei do acordo para a retirada um requisito para se poder realizar um segundo referendo", declarou a primeira-ministra.

O governo compromete-se ainda a criar uma obrigação legal para encontrar, até dezembro de 2020, alternativas ao backstop, para manter a Irlanda do Norte alinhada com o Reino Unido, sem recurso a fronteiras com a Irlanda.

No total, diz May, há 10 mudanças significativas ao documento anterior para os deputados avaliarem.

Mas tanto conservadores, como trabalhistas têm-se mostrado pouco recetivos à iniciativa da primeira-ministra. Um embrulho novo para um presente que o líder da oposição, Jeremy Corbyn, diz já conhecer e não querer ver entregue.

"Não podemos apoiar este projeto, porque é basicamente uma nova versão do que foi discutido antes e não introduz nenhuma mudança fundamental no alinhamento com o mercado ou na união aduaneira, ou mesmo na proteção de direitos, mas particularmente em relação aos direitos do consumidor", afirmou.

O Reino Unido tem até 31 de outubro para saír da União Europeia.

Tal como o Brexit, o futuro de Theresa May permanece incerto.