Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Fayez al-Sarraj à Euronews: "Interferência estrangeira na Líbia tem prolongado crises"

Fayez al-Sarraj à Euronews: "Interferência estrangeira na Líbia tem prolongado crises"
Tamanho do texto Aa Aa

Fayez al-Sarraj é primeiro-ministro do Governo de Acordo Nacional na Líbia. Aceitou esta entrevista com a Euronews para falar sobre o papel da Europa no seu país e sobre o difícil caminho da Líbia para a democracia e a estabilidade.

Euronews - Acabou de regressar de uma visita à Europa onde se encontrou com vários líderes para angariar apoios para a sua administração. O que é que os líderes europeus lhe disseram? Prometeram-lhe alguma coisa?

Fayez al-Sarraj - Penso que a tournée que fizemos por quatro capitais europeias foi bem-sucedida. Começando na Itália, encontrámo-nos com os líderes desses países para esclarecer com eles a verdade sobre o que está a acontecer agora em Trípoli e a verdade dessa agressão.

O agressor deu explicações para justificar este ataque, mas agora há uma compreensão sobre o que realmente está a acontecer. Clarificámos as repercussões deste ataque nas atividades terroristas ou migrações ilegais, no nível humanitário e no número de pessoas deslocadas.

Penso que isso ficou claro nas reuniões que tivemos em Bruxelas, com a representante da Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini, e com Donald Tusk. As declarações deles foram muito claras: Condenaram a ofensiva em Trípoli e denunciaram o que as milícias de Haftar estão a fazer. Também entenderam o impacto que isso teve nas atividades terroristas e na migração ilegal.

Euronews - Também lhe prometeram apoio militar?

Fayez al-Sarraj - Quando viajámos para esses países, o nosso objetivo não era obter armas ou equipamento. Neste momento, há um embargo de armas à Líbia e ao Governo de Acordo Nacional e uma coisa que esclarecemos em muitas reuniões e fóruns foi que esse embargo precisava de ser aplicado por todas as partes. Mas o que aconteceu foi o contrário: uma das partes recebeu todo o tipo de armas e equipamentos, dia e noite, através das fronteiras terrestres e marítimas. E para piorar a situação, este foi um apoio dado por países que considerávamos nossos aliados. Houve declarações oficiais deles enquanto os seus aviões visavam a nossa capital.

O apoio militar exacerbado que a outra parte recebeu é o que a faz afastar-se das negociações políticas e dar-lhe a ilusão de que poderia, através de um golpe, tomar o poder através deste ataque.

Euronews - As potências estrangeiras têm um histórico de intervenção no seu país. Estão a piorar as coisas na Líbia?

Fayez al-Sarraj - Claramente, a interferência negativa de outros países desde 2011 tornou o cenário político e de segurança mais complicado e prolongou as crises. Conversámos sobre isso. Esperamos que parem de interferir na Líbia. Desejamos que isso aconteça através de um claro apoio internacional, como mencionei, para que possamos voltar a um caminho político que nos conduza à estabilidade e segurança.

Euronews - E quanto ao papel dos Estados Unidos em tudo isto? O presidente Donald Trump parece ter revertido a política norte-americana na Líbia, depois de ter telefonado a Khalifa Haftar. Quão significativo foi esse telefonema para Haftar? Quanto representa o apoio dos Estados Unidos a Haftar? Também falou com o presidente norte-americano?

Fayez al-Sarraj - Esse telefonema com Trump nunca aconteceu, mas lemos a posição dos Estados Unidos através da declaração do Departamento de Estado norte-americano. Mike Pompeo foi claro ao dizer as coisas pelo nome - "milícia de Haftar". E acho que o que está a acontecer agora em termos de violações dos direitos humanos se tornou claro para todos - o recrutamento de crianças-soldado, o desrespeito pelos cadáveres, o alvejar de civis. Penso que agora está claro para todas as partes incluindo para os Estados Unidos.

Euronews - Khalifa Haftar diz que pode acabar com a turbulência na Líbia e que a sua administração tem o apoio de milícias e outras organizações que o Ocidente não vê com bons olhos. Como responde a isto?

Fayez al-Sarraj - Estamos a falar de medidas concretizadas desde que o Governo de Acordo Nacional chegou ao poder. Éramos e ainda somos defensores da paz e vemos que a solução para a Líbia é uma solução política, não militar. Vemos isso claramente e muitas potências estrangeiras concordam connosco.

A estabilidade na Líbia pode ser alcançada através do bombardeamento de áreas civis? De se atingir ambulâncias? Através do recrutamento de crianças-soldado ou desalojamento de 100 mil pessoas? Alguma dessas práticas nos levaria à estabilidade?

Acho que o caminho para a estabilidade é claro. Comunicámos com todas as partes internas e externas para conduzir a Líbia a uma fase mais estável através de eleições e deixar que o povo escolha o seu líder com integridade. Assinámos acordos de segurança e conseguimos conter os grupos armados. Quanto à produção de petróleo, quando o Governo de Acordo Nacional chegou ao poder, estávamos a exportar 150 mil barris, agora estamos perto de um milhão e meio. Tudo isto são conquistas das quais nos orgulhamos e que provam que estávamos no caminho certo.

Euronews - Há nesta altura centenas, talvez milhares de homens na frente de combate a lutar. Quanto tempo consegue continuar assim? E qual é a perspetiva para a paz na Líbia?

Fayez al-Sarraj - O que o Khalifa Haftar tentou fazer foi dizer que tinha um exército organizado, mas agora está claro que isso não é verdade. Eles são grupos criminosos, grupos ideológicos, bandidos que ele reuniu e tentou convencer o resto do mundo que eram um exército profissional.

Estamos a defender a nossa capital, estamos a defender o sonho de todos os líbios de estabelecer um estado civil. Esta é a nossa prioridade. Ao mesmo tempo, ainda pensamos que a solução não é militar.

Ele tentou invadir a nossa capital e enganou alguns dizendo que a poderia tomar em 48 ou 72 horas, mas já passaram mais de 50 dias e as repercussões deste ataque começam a aparecer: o desalojamento de 100 mil pessoas, civis mortos ou amputados.

Se o agressor assumir a responsabilidade por isso e interromper as operações, poderíamos falar sobre a continuação do processo político através de um plano acordado entre ambas as partes.