Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Os vencedores de Cannes

Os vencedores de Cannes
Tamanho do texto Aa Aa

A Palma de Ouro do Festival de Cinema de Cannes foi, este ano, atribuída ao filme "Parasite", de Bong Joon Ho. É a primeira Palma de Ouro da Coreia do Sul.

"Parasite" assume-se como uma comédia negra, um drama familiar que aborda a luta de classes sociais.

"O filme só foi possível por causa de grandes atores como Mister Song que foram capazes de liderar o filme com harmonia e energia. E todos os outros atores estão ali de corpo e alma, e quero, realmente, partilhar esta honra com eles", confessa Bong Joon Ho.

O Grande Prémio do Festival foi para a realizadora franco-senegalesa Mati Diop, pelo filme "Atlantique", sobre jovens africanos que deixam os seus países rumo à Europa.

A realizadora explica como surgiu o filme: "Encontrei-me num momento muito especial quando muitos jovens saíam da costa senegalesa para ir para Espanha, para deixar o desemprego, condições de vida muito difíceis, e lá estava eu, uma testemunha próxima desse momento".

António Banderas recebeu o Prémio de Melhor Ator pelo desempenho no filme de Pedro Almodovar "Dor e Glória".

"Provavelmente, se pensarmos bem, ele é mais Pedro Almodovar do que o Pedro Almodovar. Todos escondemos alguém dentro de nós que não mostramos muito. Quando li este guião, fiquei muito surpreendido. Sou amigo do Pedro há muito tempo. Temos sempre a nossa amizade a mover-se no mesmo universo, e esse universo tinha limites, porque o Pedro é uma pessoa muito reservada. Então, quando li o guião, só vi algo que estava perto do confessionário", partilhou o ator espanhol.

"Este ano foi uma seleção ampla - política e romântica, como anunciado, onde o suspense permaneceu até o fim, com cineastas veteranos, mas também muito sangue novo. Ao premiar Bong Joon Ho, virtuoso sul-coreano e a franco-senegalesa Mati Diop, o júri abriu novos horizontes para o cinema", relata o jornalista da euronews Frédéric Ponsard.