Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Altos cargos da UE em debate na cimeira de Bruxelas

Presidente francês à chegada para cimeira da UE em Bruxelas
Presidente francês à chegada para cimeira da UE em Bruxelas -
Direitos de autor
REUTERS/Yves Herman
Tamanho do texto Aa Aa

Não muito longe do Conselho Europeu, em Bruxelas, o primeiro-ministro português almoçou, esta terça-feira, com os homólogos da França, Espanha, Bélgica e Holanda. A ideia foi acertarem agulhas sobre quem querem a liderar a aliança progressista na próxima legislatura da União Europeia (até 2024), nomeadamente o presidente da Comissão Europeia.

À chegada ao local da cimeira, o líder francês, Emmanuel Macron, explicou qual a contribuição deste bloco para o menu do jantar informal: "Precisamos de avançar com uma nova ambição europeia nos próximos cinco anos e temos que escolher as pessoas com base nessa ambição".

"Precisamos de mulheres e homens que personifiquem essa renovação, que tenham a experiência e a credibilidade que lhes permitam levar a cabo essa missão, que encarnem essas ambições e que as abracem decididamente"a, crescentou.

Questionado pelos jornalistas se a comissária europeia Margrethe Vestager, liberal dinamarquesa, seria a pessoa ideal, Macron respondeu: "Ela faz parte desse grupo de pessoas, juntamente com o senhor Barnier, o senhor Timmermans e outros que têm essas competências".

Portugal defende o socialista holandês Frans Timmermans e acredita que poderá ter mais apoios do que o alemão Manfred Weber, que ganhou as eleições pelo centro-direita. Angela Merkel quer que tudo fique claro até 2 de julho, dia de tomada de posse dos eurodeputados.

"Vou pedir a todos que se empenhem em demonstrar a nossa capacidade de ação, porque devemos apresentar uma proposta, idealmente, antes da sessão inaugural do novo parlamento. Ainda há bastante tempo para fazer essa discussão", disse a chanceler alemã.

Contudo, os chefes de Estado e de Governo argumentam que nada nos tratados obriga a escolher um dos candidatos principais das bancadas parlamentares, embora o atual presidente peça o respeito pela recente tradição.

"A maioria dos grupos defende a escolha de um dos candidatos principais, essa tem sido tradicionalmente a posição do Parlamento Europeu no início das negociações", referiu Antonio Tajani.

O próprio Tratado de Lisboa menciona a necessidade dos nomes serem escolhidos tendo em conta o resultado das eleições, mas também "o equilíbrio geográfico, demográfico, de género e político".

Se os chefes de Estado e de governo não chegarem a acordo neste jantar informal voltarão a tentar na cimeira ordinária de 20 e 21 de junho.

Estão em causa alterações, até ao final do ano, em cinco cargos:

  • Presidente da Comissão Europeia - atualmente é o luxemburguês de centro-direita, Jean-Claude Juncker
  • Presidente do Parlamento Europeu - atualmente é o italiano de centro-direita, Antonio Tajani
  • Presidente do Conselho Europeu - atualmente é o polaco de centro-direita, Donald Tusk
  • Presidente do Banco Central Europeu - atualmente é o italiano Mario Draghi
  • Alto Representante para a Política Externa e Segurança - atualmente é a italiana de centro-esquerda, Federica Mogherini