A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Tocam os tambores contra o fascismo em Bruxelas

Tocam os tambores contra o fascismo em Bruxelas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Tocaram os tambores em frente ao Parlamento Europeu. Na terça-feira ao final do dia, milhares de manifestantes disseram não ao fascismo na Bélgica e na Europa, na sequência dos resultados da extrema-direita nas europeias.

"Queremos mobilizar-nos contra a extrema-direita, seja no Parlamento, no Governo, nas ruas, nos locais de trabalho, nos locais de estudo... Queremos enfrentar a extrema-direita onde quer que ela tenha um papel público", realçou Sixtine Van Outryve da Stand Up Coalition Against Fascism.

O protesto foi convocado nas redes sociais depois de terem sido conhecidos os resultados das europeias. Uma eleição em que houve uma onda de votos a favor de partidos como a União Nacional, em França, a Liga, em Itália, mas também o Vlaams Belang, na Flandres. O partido liderado por Tom Van Grieken foi a segunda força política mais votada na Flandres, logo a seguir aos nacionalistas flamengos.

"Os resultados das eleições de domingo resultam de décadas de políticas governamentais neoliberais, sexistas, racistas e da difusão do discurso racista na sociedade", destacou Sixtine Van Outryve.

Os manifestantes eram belgas e de outras nacionalidades. Alguns deputados europeus juntaram-se ao protesto.

"Penso que o mais importante é termos uma coligação de partidos democráticos no Parlamento e ter a certeza que nenhum partido democrático lida com estes populistas e com estes nacionalistas. Esta é a primeira coisa. Se fizermos isso no Parlamento Europeu, eles não vão ter influência nas nossas políticas", disse Marie Arena, eurodeputada belga dos Socialistas e Democratas.

Os manifestantes marcharam depois até à Comissão Europeia, passando junto ao Conselho da União Europeia, onde os líderes europeus estavam a jantar na terça-feira à noite.