Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Economia alemã em abrandamento

Economia alemã em abrandamento
Tamanho do texto Aa Aa

O Banco central alemão reduziu as previsões de crescimento para o resto do ano.

Por detrás do abrandamento da principal economia europeia estaria a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China assim como a incerteza provocada pelo Brexit.

No relatório, o banco refere que apesar de resultados melhores do que o previsto no primeiro trimestre, a procura deverá manter-se fraca para o resto do ano, na ordem dos 0,6%
Em dezembro passado, as previsões do banco apontavam para 1,6% de crescimento.

O anúncio segue-se à rejeição de um aumento nas taxas de juro do Euro pelo presidente do banco central europeu, Mario Draghi.

A nível doméstico a Alemanha debate-se igualmente com um governo de coligação enfraquecido que, mesmo assim, merece a confiança do presidente do banco central alemão, Dieter Kempf.

Os peritos afirmam que a conjuntura internacional está a levar à redução das exportações e aumento das importações.

Em abril, as exportações alemãs baixaram 0,5% enquanto as importações subiram 2,1%.

A indústria automóvel é um dos sectores mais afetados. Para além da conjuntura internacional, o sector enfrenta a concorrência dos veículos eléctricos assim como regulação anti-poluição mais exigente.

No relatório, o Banco central alemão alerta para os riscos do abrandamento económico que poderá ter efeitos sobre o emprego, cuja taxa se mantém entre as mais elevadas do continente.