Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Não à extradição para a China"

"Não à extradição para a China"
Tamanho do texto Aa Aa

As ruas de Hong Kong pintaram-se de branco - a cor do protesto contra a a reforma da lei de extradição.

Milhares de pessoas saíram à rua com uma palavra de ordem específica: "Não à extradição para a China."

Em causa, uma lei que permite a extradição de suspeitos de crimes políticos ou religiosos, para qualquer país que não tenha um acordo formal com Hong Kong, incluindo a China,

A mobilização foi liderada por organizações de defesa dos Direitos Humanos como a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch.

Os manifestantes consideram que a legislação, a ser aprovada, representa um retrocesso.

De acordo com a BBC, este é o maior protesto desde o Movimento dos Guarda-chuvas, em 2014 - manifestaões que travaram uma reforma eleitoral no território considerada anti-democrática.

Ao abrigo do príncipio "um país, dois sistemas", Hong Kong tinha garantido o direito de manter os regimes social, legal e político por 50 anos após a transferência da administração do território do Reino Unido para a China, em 1997. No entanto, o governo de Pequim tem tentado várias mudanças legais.