Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Eleições europeias provocam terramoto político na Grécia

Eleições europeias provocam terramoto político na Grécia
Direitos de autor
© 2019 ΑΘΗΝΑΪΚΟ ΠΡΑΚΤΟΡΕΙΟ ΕΙΔΗΣΕΩΝ - ΜΑΚΕΔΟΝΙΚΟ ΠΡΑΚΤΟΡΕΙΟ ΕΙΔΗΣΕΩΝ - ΔΗΜΗΤΡΗΣ ΠΑΠΑΜΗΤΣΟΣ
Tamanho do texto Aa Aa

O cenário político mudou completamente na Grécia, quando o Nova Democracia afastou o partido SYRIZA da vitória, nas eleições europeias. Apesar disso, o primeiro-ministro Alexis Tsipras classificou estas eleições como sendo um voto de confiança ao seu governo, às suas políticas e a si próprio. No entanto, as europeias não representaram apenas uma derrota para Tsipras, também deram origem a um terramoto político no país.

"O Nova Democracia foi bem sucedido nestas eleições há 4 anos, na Grécia, porque as pessoas tinham investido todas as esperanças no Syriza e Alexis Tsipras. Infelizmente, essas esperanças não se concretizaram. A razão principal foram os impostos para a classe média e as políticas que não foram explicadas ao cidadão comum", explica a analista política, Maria Karaklioumi.

"Alexis Tsipras declarou-se "pronto para a batalha" lançando uma luta entre as forças progressistas que representam a população e o antigo sistema político que levou Grécia ao colapso financeiro. O Syriza perdeu 600 mil eleitores desde as últimas eleições, em setembro de 2015. Para além disso, Tsipras também enfrenta o desafio do seu antigo ministro das finanças, Yanis Varoufakis, cujo partido (MeRA25) surpreendeu nas eleições europeias na Grécia, mesmo não tendo conseguido uma lugar no parlamento europeu", adianta a jornalista da euronews, Nikoletta Kritikou.

"O partido Movimento para a Mudança ficou em terceiro lugar nas eleições europeias e isto é muito importante, no caso de não poder ser formado um governo de partido único. O Movimento para a Mudança expulsou o partido fascista de extrema direita Aurora Dourada da terceira posição. Isto é muito positivo, pois apercebemo-nos que na Europa, a extrema direita tem tendência a ser mais forte, enquanto na Grécia o seu poder está a diminuir”, conclui o jornalista Nikos Felekis.

As próximas semanas e meses vão ser cruciais para a política interna e para as relações da Grécia com os parceiros da União Europeia, aliados e credores. Tsipras e Mitsotakis têm um grande responsabilidade na condução do país até às eleições. No entanto, nenhum governo na Grécia escapou às consequências da crise económica desde o regresso da democracia em 1974.