Quatro corpos retirados dos destroços do navio

Quatro corpos retirados dos destroços do navio
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quatro corpos foram resgatados dos destroços do barco que naufragou no rio Danúbio, na Hungria, no passado dia 29. O barco foi abalroado por uma embarcação maior. A bordo havia 33 turistas sul-coreanos e dois tripulantes. Apenas sete pessoas foram resgatadas com vida logo após o naufrágio.

PUBLICIDADE

Quatro corpos foram resgatados dos destroços do barco que naufragou no rio Danúbio, na Hungria, no passado dia 29.

O barco foi abalroado por uma embarcação maior. A bordo havia 33 turistas sul-coreanos e dois tripulantes. Apenas sete pessoas foram resgatadas com vida logo após o naufrágio.

"As equipas de resgate demoraram mais de 7 horas a levantar o barco e a estabilizá-lo. Com a ajuda de uma grua, colocaram-no noutro barco e vão transportá-lo para um porto, onde os inspetores da polícia vão examiná-lo cuidadosamente", afirmou o correspondente da Euronews, Gabor Kiss. 

O capitão do navio que abalroou o barco Hableany está detido desde o dia 1, por suspeitas de colocar em risco o transporte fluvial e causar um acidente com vítimas mortais.

A operação para retirar o navio naufragado do fundo do rio Danúbio demorou quase duas semanas, por causa das fortes correntes e da fraca visibilidade, que afetaram o trabalho das equipas de resgate.

"Houve dias em que tínhamos visibilidade de 50 centímetros, mas noutras alturas, de apenas 10 centímetros. Era como estar no meio de um forte nevão ou nevoeiro. Ligava-se uma luz forte, mas não se via nada. A água estava muito turva", explicou o mergulhador Zoltan Papp.

O navio que provocou o abalroamento saiu de Budapeste menos de 48 horas após o acidente e voltou agora à Hungria noutra viagem.

As equipas de busca continuam à procura de quatro pessoas ainda dadas como desaparecidas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Orbán na abertura da campanha para as europeias do Fidesz: "O que Bruxelas está a fazer é brincar com o fogo"

Oposição na Hungria apela à realização de eleições antecipadas

Hungria recusa prisão domiciliária para ativista antifascista italiana