Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Extrema-direita condiciona recursos da polícia

Extrema-direita condiciona recursos da polícia
Tamanho do texto Aa Aa

Os sociais-democratas venceram as eleições legislativas na Dinamarca e abriram caminho para um Governo apoiado por uma coligação parlamentar de centro-esquerda.

Na hora de fazer as contas, ficou-se a saber que, só nas quatro semanas de campanha eleitoral, a segurança dos candidatos custou quase 13 milhões de euros.

A polícia diz que a grande fatia foi gasta a proteger Rasmus Paludan, chefe do partido Stram Kurs - "Linha Dura", populista de extrema-direita, anti-muçulmano, já condenado por racismo.

“Eu sempre expressarei o que acho necessário para a Dinamarca se tornar novamente um país livre e propriamente Cristão da Europa Ocidental,” afirmou Rasmus Paludan.

O presidente do Sindicato da Polícia Dinamarquesa, Claus Oxfeldt, diz que Rasmus Paludan tem um custo enorme em recursos e a consequência é que muitos casos ficam em cima da mesa em vez de serem investigados e resolvidos.

“Há toda uma série de tarefas a que a polícia teve de dar prioridade. E, por isso, há casos que não foram resolvidos," revelou Claus Oxfeldt.

O sindicalista diz que o político de extrema-direita, Ramus Paludan, "devia ter um pouco de senso de situação e não explorar deliberadamente os recursos da polícia".