Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mali pede ajuda internacional para acabar com a violência

Mali pede ajuda internacional para acabar com a violência
Direitos de autor
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

O governo do Mali pede o reforço da presença dos capacetes azuis da ONU no centro do país para proteger as populações civis e pôr fim ao ciclo de violência.

O primeiro-ministro, Boubou Cissé, esteve na aldeia de Sobane Da, onde ocorreu um novo massacre interétnico. 35 pessoas foram mortas, 24 das quais, crianças.

Boubou Cissé pede a conjugação de esforços, nacionais e internacionais, com vista ao processo de paz: "O que se passou é um desafio para todos e deve levar-nos a acelerar as diligências em curso ao nível dos esforços políticos, securitários e económicos para acelerar o processo de paz e reconciliação".

O chefe da diplomacia do Mali, Tiébilé Dramé pediu, em Nova Iorque, o reforço da ajuda das Nações Unidas, traçando o quadro do drama que o país vive: "Na história cotemporânea do Mali, o nosso país nunca conheceu tantas vítimas e tanta destruição na violência intercomunitária, alimentada pela pressão de grupos terroristas, pela amálgama e pela competição pelo controlo dos recursos naturais e, muitas vezes, pelo ressurgimento de conflitos antigos".

O ataque de Sobane Da, uma aldeia de etnia dogon não foi reivindicado. Desde o aparecimento em 2015 do grupo jihadista de Amadou Koufa, que recruta os combatentes entre os membros da etnia peul, as comunidades dongo e bombara criaram os seus prórios grupos de defesa e os confrontos multiplicam-se.

No dia 23 de março tinham sido mortas 157 pessoas de etnia peul, na aldeia de Ogossagou. Um massacre que foi atribuído a caçadores dogons.

A missão da Minusma, que conta 15 mil capacetes azuis no Mali, termina no final de junho.