A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Diminui número de armas nucleares

Diminui número de armas nucleares
Direitos de autor
REUTERS/ Regis Duvignau
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Há menos armas nucleares, mas as que existem são mais modernas. A conclusão é do relatório do Instituto Internacional de Investigação sobre a Paz de Estocolmo, que diz que o decréscimo se deve sobretudo ao desmantelamento efetuado pela Rússia e pelos Estados Unidos, em linha com o tratado START de 2010.

Segundo o relatório, há agora menos 600 armas nucleares do que no ano passado. Cerca de 90% das armas existentes pertencem aos Estados Unidos ou à Rússia. Moscovo detém atualmente 6500 ogivas nucleares, face a 6185 por parte dos Estados Unidos.

A China, a Índia e o Paquistão expandiram ou estão a expandir os arsenais atómicos.

A Coreia do Norte continua a ser a principal fonte de preocupação para o Ocidente, apesar de o país ter anunciado uma moratória dos testes nucleares no ano passado.