A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Líderes europeus ainda sem acordo sobre o futuro

Líderes europeus ainda sem acordo sobre o futuro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em breve o luxemburguês, Jean-Claude Juncker será substituído à frente da Comissão Europeia.
No entanto, os líderes europeus ainda não chegaram a acordo sobre quem o substituirá.

"Precisamos de mais tempo para discutir a atual conjuntura e é por isso que regressaremos a esta questão no final de junho. Hoje é demasiado cedo para avançar nomes e cargos", afirmou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, no final do primeiro dia da cimeira europeia em Bruxelas.

Um novo encontro está marcado para o dia 30 de junho para mais negociações.

Mas enquanto a corrida aos cargos é essencial para os próximos cinco anos, a cimeira em Bruxelas abordou outras questões igualmente atuais.

Entre estas contam-se as prospeções petrolíferas da Turquia nas águas territoriais de Chipre, país membro da União Europeia. Os líderes europeus abrem assim a porta à imposição de sanções contra Ancara.

Os líderes consideram as ações da Turquia ilegais e tal irá causar danos nas relações com a União Europeia.

Os líderes europeus acordaram ainda prolongar as sanções contra a Rússia relativas à anexação da Crimeia por mais seis meses.

Os desafios ambientais também foram abordados. Apesar das pressões da ONU e de protestos de ambientalistas em Bruxelas, a UE não se comprometeu a 100% com o objetivo de alcançar a neutralidade até 2050 o que coloca em risco o Acordo de Paris.

A Polónia, a República Checa, a Hungria e a Estónia são o obstáculo. Varsóvia em particular expressou preocupação com os efeitos sobre as regiões produtoras de carvão.

"Hoje em dia temos 24 estados-membros que são favoráveis ao objetivo de neutralidade até 2050. Quando lutamos, avançamos e este clube vai-se alargando, continuamos a convencer os outros e a avançar, é isto que dá credibilidade ao nosso empenho no acordo de Paris. A implementação deste acordo é fundamental", afirmou Emmanuel Macron, o presidente francês.

A cimeira prossegue esta sexta-feira. As atenções voltam-se igualmente para temas como o Brexit e o futuro da zona euro.