Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": Pode a incerteza do Brexit afetar saúde mental?

"Breves de Bruxelas": Pode a incerteza do Brexit afetar saúde mental?
Direitos de autor
REUTERS/Hannah Mckay
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sharon Leclercq-Spooner recebeu a euronews num dia sol, "um bom dia para travar o Brexit", disse a especialista em comércio internacional, que vive em Bruxelas e cuja história está hoje em destaque nas "Breves de Bruxelas".

Forte adepta da permanência do Reino Unido na União Europeia, a consultora abandonou o emprego para ser ativista contra o Brexit, organizando ações de protesto.

"Nunca pensei que estaria nas ruas a fazer campanha, mas fui à primeira manifestação em Londres e gostei muito", afirmou.

Mas a dedicação ao tema e a incerteza ao longo de três anos tem afetado a saúde da ativista. Num evento anti-Brexit, por altura de uma cimeira da União Europeia, teve dificuldade em fazer a moderação devido ao alto nível de stress.

"Eu sofro de herpes e o stress não é bom. O facto de me preocupar tanto com isto não é bom. Pode dizer-se que é uma tolice, mas eu digo que sofro de "Brexititis" porque o surto apareceu no dia daquela cimeira", acrescentou Sharon Leclercq-Spooner.

Um universo paralelo?

A filha mais nova da ativista mascarou-se de unicórnio para a mais recente cimeira da União Europeia, simbolizando como é utópico ter um bom Brexit. A irmã vai estudar para outro país e lamenta que toda a sua experiência de estudante tenha sido ensombrada pelo Brexit.

"Isto tudo deixa-me muito triste. Eu tinha 17 anos quando se fez o referendo e deveria ir estudar para o Reino Unido, no ano seguinte. Mas o resultado fez-me ter muito maior desconfiança sobre estudar no Reino Unido", disse Armelle Leclercq-Spooner.

Uma tristeza que não é exclusiva desta família. Uma sondagem da empresa Britain Think revelou que 64% dos entrevistados pensam que o Brexit teve um impacto negativo na sua saúde mental.

Uma psicoterapeuta alerta que muito do discurso político sobre este tema alimenta ansiedade e stresse.

"Nós elegemos os políticos para cuidar de nós e para atuarem de acordo com os nossos anseios, mas a maioria das pessoas com quem falo sente que isso não está a acontecer. Há muita incerteza e isso é muito difícil para a mente humana. Algumas pessoas que vêm às minhas consultas usam metáforas e duas delas usaram a mesma, na semana passada: sentem-se a viver num universo paralelo. É como se existisse uma realidade paralela que se arrasta há três anos", afirmou Julia Bueno, psicoterapeuta.

E é provável que continue a arrastar-se porque não se sabe que curso irá tomar o novo primeiro-ministro britânico. A 22 de julho, o Partido Conservador escolhe um novo líder e os dois candidatos defendem a saída do Reino Unido o mais rapidamente possível. Só não se sabe o mais importante: com ou sem acordo.