A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Foi um erro e estou pronto para ir para a prisão"

"Foi um erro e estou pronto para ir para a prisão"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

"Fiz um erro e se esse erro merece que eu vá para a prisão, estou pronto para o fazer." Steve Duarte é um cidadão luso luxemburguês que se juntou ao grupo Estado Islâmico em 2014 e que agora se encontra detido na Síria. Agora pretende regressar a casa com a mulher e os filhos mas por enquanto, o Luxemburgo ainda mostrou se mostrou disponível para o repatriar.

Em entrevista à Rudaw, Steve Duarte contou a sua história. Depois de se converter ao Islão em 2010, Steve Duarte procurou aprofundar os conhecimentos religiosos na Península Arábica mas todas as escolas lhe fecharam as portas. Quanto surgiu a oportunidade para o fazer na Síria não pensou duas vezes mas rapidamente se encontrou numa base do grupo Estado Islâmico.

O luso luxemburguês afirma que sempre se recusou a participar em atividades militares, porque tinha vindo para o país para aprofundar os conhecimentos da religião Islâmica, e como tal foi colocado na secção de propaganda. Duarte relata as dificuldades vividas no seio da organização terrorista, desde a falta de comida quando a situação começou a piorar às tensões entre os membros de diferentes nacionalidades.

Em contacto com a sua mãe, no Luxemburgo, veio a saber da existência de uma trégua entre as forças curdas e o grupo Estado Islâmicos e assim que teve oportunidade para abandonar o acampamento, aproveitou. Agora sonha com um emprego e uma vida normal no Luxemburgo.

Apesar de tudo, Steve Duarte garante que não abandona a fé Islâmica. Assegura, no entanto, que não faz a mesma leitura do Corão que o grupo Estado Islâmico uma vez que encontra uma grande discrepância entre o que estes fazem e o que se encontra escrito no livro sagrado.