Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Futuro governo da Grécia enfrenta desafio económico

Futuro governo da Grécia enfrenta desafio económico
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Grandes expectativas e desafios aguardam o próximo governo na Grécia, depois de 7 de julho. Os credores esperam um novo plano económico no eurogrupo de setembro, os cidadãos, que a economia cresça para recuperar parte dos rendimentos perdidos, e os empresários querem reformas estruturais.

Para Kostas Michalos, chefe da Câmara de Comércio de Atenas, "o mundo dos negócios acredita que o grande desafio após as eleições de 7 de julho é começar imediatamente todas as reformas necessárias que vão criar um ambiente de investimento favorável", isto é "reduzir impostos e contribuições sociais, racionalizar o gasto público, por fim à evasão fiscal, garantir bancos fortes e restaurar a liquidez para o mercado".

O país precisa desesperadamente de investimento para criar empregos. E os investidores parecem ter fé no pós-eleições. Ainda assim, os mercados podem oscilar rapidamente.

O chefe da Fundação para a Investigação Económica e Industrial, Nikos Vettas, defende que "Os mercados obrigacionistas e o mercado de ações preveem uma dinâmica de crescimento". Mas para o especialista em Economia, o novo governo terá de os convencer primeiro "de que tem um plano para o retorno do país ao crescimento sustentável". Um desafio que deverá surgir "nos primeiros passos do novo governo daqui a poucos meses", adverte.

Depois de 10 anos de austeridade, três programas de resgate e uma sociedade duramente atingida, os gregos alcançaram a consolidação fiscal. Mas a economia do país ainda está por reestruturar. A fuga aos impostos permanece um problema por resolver, como explica Kostas Sfakakis, assessor fiscal da Federação de Empresas Helénicas, ao afirmar que "tributação excessiva e evasão fiscal consistem em duas faces da mesma moeda". De acordo com o consultor, "é preciso enfrentar imediatamente o problema através da introdução da fatura eletrónica e da expansão dos pagamentos eletrónicos".

Após a consolidação das finanças públicas, a Grécia e o futuro governo helénico enfrentam agora o desafio do crescimento sustentável.