Última hora

Syriza sai de "cabeça erguida"

Tsipras perde nas legislativas
Tsipras perde nas legislativas -
Direitos de autor
Reuters/ALKIS KONSTANTINIDIS
Tamanho do texto Aa Aa

Os apoiantes do Syriza não esconderam a tremenda deceção quando perceberam este domingo que o líder conservador Kyriákos Mitsotákis se tornou no novo primeiro-ministro do país.

Junto à sede de campanha do partido, em Atenas, um apoiante confessava-se "desiludido por voltarmos a um ponto de vista, a um pensamento político que a Nova Democracia representa, depois de terem participado no empurrar do país para a crise, agora voltam para tirá-lo da crise."

Outro apoiante do Syriza admite que já "esperava uma derrota assim, depois das eleições europeias", mas que, pessoalmente, "não acredita que seja um bom resultado para a maioria dos gregos."

O Syriza perdeu quase metade do número de deputados no parlamento grego, passou de 145 para 86, mas a derrota não foi tão expressiva quanto alguns analistas previam.

Em 2015 o Syriza venceu as legislativas com 35,4 por cento e agora perdeu com 31,6%, uma diferença inferior a 4 por cento em relação há quatro anos. Talvez por isso, Alexis Tsipras não apresentou a demissão da liderança do partido.

"Nós lutámos e conseguimos muito, sempre com a cabeça erguida, e hoje, novamente, com a cabeça erguida, aceitamos o veredicto do povo. Com as nossas cabeças erguidas porque sabemos que a Grécia que entregamos ao novo governo não tem nada a ver com a Grécia que herdámos."

A jornalista da Euronews, Nikoletta Kritikou, sublinha que "o primeiro-ministro Alexis Tsipras não se deu por vencido apesar da derrota do Sizyra e sublinhou que o resultado não foi uma derrota estratégica. Tsipras assumiu a responsabilidade pela derrota e prometeu transformar o Syriza numa grande formação democrática progressista."

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.