Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ativistas em Hong Kong vão continuar a pressionar a governadora

Ativistas em Hong Kong vão continuar a pressionar a governadora
Direitos de autor
REUTERS/Tyrone Siu
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Hong Kong continua o braço-de-ferro entre os manifestantes e o governo local. Os manifestantes exigem a rejeição completa e imediata do pacote legislativo da extradição. A governadora afirma que o projeto desaparecerá naturalmente no final da legislatura.

"No Conselho Legislativo não existe uma definição para a 'suspensão' de uma proposta de lei. Carrie Lam tem vindo a dizer que está 'suspensa' mas isto não respeita o atual sistema legal. Não é um termo legal. Mesmo consultando todos os documentos legais de Hong Kong, não se encontra a palavra 'morto'", afirma Jimmy Shum da Frente de Direitos Civis e Humanos.

No fim-de-semana passado, Carrie Lam, anunciou a suspensão da proposta de lei. Esta terça-feira, a governadora descreveu o projeto-lei como "morto".

"Ainda persistem dúvidas sobre a sinceridade do governo, ou questões sobre se o governo irá retomar o processo no conselho legislativo. Por isso, reitero aqui que não existem quaisquer planos nesse sentido. A proposta está morta" disse a governadora Carrie Lam.

Apesar das palavras da governadora, os manifestantes dizem que vão manter a pressão.

Matt Bradley é o correspondente da euronews NBC em Hong Kong:

"Carrie Lam está a fazer algo interessante. Este movimento de protesto não tem líderes. Por isso, quando estes ativistas falam com os repórteres e prestam declarações, Carrie Lam poderá, ao usar esta linguagem, dizendo que a proposta de lei está morta, ela pode estar a retirar o propósito ao movimento de protesto. E pode mesmo ganhar esta luta, se conseguir convencer pessoas suficientes nas ruas de que é sincera, que o projeto-lei está mesmo morto".

A recente vaga de protestos, que duram há um mês, é a mais grave desde a entrega do território à China em 1997.