A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Os 50 anos da chegada do homem à Lua

Os 50 anos da chegada do homem à Lua
Direitos de autor
REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Há 50 anos, o homem pisava a lua, na missão Apollo 11 da NASA.

Os antigos astronautas Buzz Aldrin e Charlie Duke assistiram à estreia de "Apollo 11," um espetáculo imersivo, em exibição no estádio Rose Bowl, em Pasadena, nos Estados Unidos.

Buzz Aldrin é o último sobrevivente da equipa que aterrou na superfície lunar. A 20 de julho de 1969, ele pisou a lua, cerca de 20 minutos depois de Neil Armstrong ter dado o primeiro passo que ficou para a história.

Mas se os astronautas ficaram como os rostos da missão, houve toda uma equipa a trabalhar para alcançar este objetivo. "Nós éramos tão jovens... Acho que não sabíamos que podíamos falhar. Por isso, fizemo-lo. E os astronautas e a equipa do Centro de Controlo da Missão foram colegas fantásticos. Eles controlavam tudo, nós aí não podíamos fazer nada, mas tínhamos muito mais informações no terreno do que eles", relembra o ex-diretor de voos da NASA, Gerry Griffin.

Na altura, apenas uma mulher, Joann Morgan, participou no lançamento do Saturno V, que colocou a missão Apollo 11 em órbita: "Estive envolvida em imensos testes, aliás, em quase todos... reuniões, planeamento pré-lançamento, revisões de procedimentos. Eu era a única mulher na sala".

No início deste ano, a NASA anunciou o programa Artémis, para levar astronautas à Lua até 2024. O objetivo é usar a superfície lunar como campo de treino para uma eventual exploração de Marte.