A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Argélia e Senegal procuram a glória na final da CAN 2019

Argélia e Senegal procuram a glória na final da CAN 2019
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Senegal de Mané ou a Argélia de Mahrez? A final do CAN-2019 acontece no Egito e coloca frente-a-frente as seleções de futebol de dois países que há décadas procuram a glória.

A surpreendente Argélia de Belmadi, atolada em instabilidade nos últimos dois anos e incapaz de ir além da primeira ronda da edição de 2017, chegou à final com um jogo assente no talento dos avançados e na sua defesa hermética. Mas o selecionador diz que o favoritismo é do Senegal

"Este jogo é contra um adversário que chegou à final, ficou em primeiro lugar em África. [O Senegal] foi para o Campeonato do Mundo, recentemente. Nós não tivemos sorte de conseguir chegar à Rússia. Fomos eliminados na primeira ronda do Campeonato Africano, então, todas estatísticas são favoráveis ao Senegal," considerou o selecionador argelino, Djamel Belmadi.

A equipa do Senegal, com o seu estatuto de mundialista, o contributo do campeão europeu Mané (Liverpool), e o facto de ser a primeira seleção africana na classificação da FIFA, sempre foi, desde o inicio, apontada como uma candidata à final.

"Dezassete anos, desde a nossa última final, é muito tempo. Muitos dos nossos jogadores eram apenas crianças naquela época," revelou o selecionador do Senegal, Aliou Cisse.

Na capital senegalesa, Dakar, os mais pequenos pintam os bairros com as cores nacionais, vermelho, amarelo e verde, para mostrar apoio aos Leões de Teranga.

A Argélia pode contar com outro ativo de valor para tentar ganhar o título, o apoio do público, que virá em massa da Argélia graças a "uma ponte aérea " colocada em prática pelo governo.

Em Paris, cerca de 2.500 policiais estão mobilizados e vão dedicar especial atenção aos Champs-Elysées, cinco dias depois dos incidentes que se seguiram à vitória dos Fennecs argelinos nas semifinais.