EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Gelo derrete a níveis recorde na Gronelândia

Gelo derrete a níveis recorde na Gronelândia
Direitos de autor 
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A vaga de calor que já passou pelo continente europeu subiu para norte e afeta mesmo as regiões mais altas da ilha.

PUBLICIDADE

A vaga de calor que afetou o centro da Europa na semana passada chegou à Gronelândia e com efeitos devastadores. Só no último dia de julho (31, quarta-feira), a região autónoma da Dinamarca perdeu 10 mil milhões de toneladas de gelo.

O derretimento da superfície de gelo atingiu 56% da área, deixou uma camada de água de um milímetro, e afetou mesmo as zonas mais altas da ilha.

O problema arrasta-se já desde a primavera, com temperaturas consistentemente acima da média.

Depois do pico registado em 2012, quando 98% da camada de gelo registou algum grau de derretimento à superfície, o ano de 2019 marca um novo alerta para o futuro.

Andrew Friedman, editor do Washington Post para as áreas do ambiente e da ciência, avisa que estas crises ambientais vão aumentar.

"Pensava-se que depois da crise de 2012, este tipo de eventos apenas ocorria na Gronelândia a cada 150 anos. No entanto, como é óbvio, aconteceu em 2012 e está a passar-se novamente agora. Portanto, é algo cada vez mais frequente", afirmou o especialista do jornal norte-americano em entrevista à euronews.

Os problemas atuais na Gronelândia são um reflexo das alterações climáticas e uma má notícia para todo o mundo.

Em causa está a subida do nível do mar que pode colocar em risco a vida a milhões de pessoas e destruir comunidades situadas em zonas costeiras.

Outras fontes • CNN / Público

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia: temperaturas abaixo de zero após vaga de calor

Onda de calor na Europa antecipou a época balnear

2023 foi o ano mais quente de que há registo, segundo a Organização Meteorológica Mundial