A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Contestações mantém Hong Kong sob pressão

Contestações mantém Hong Kong sob pressão
Direitos de autor
REUTERS/Tyrone Siu
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Tijolos, pedras e ovos contra uma esquadra da polícia de Hong Kong. Os protestos a favor do reforço da democracia na região autónoma chinesa sucederam-se a um sábado agitado que culminou em confrontos entre manifestantes e as forças da ordem.

Ao mesmo tempo, este domingo, registaram-se outros eventos de contestação, mais pacíficos. Entre as palavras de ordem escutavam-se apelos a uma greve geral nesta segunda-feira.

"Penso que a baía de Hong Kong é um local calmo, muitas pessoas vivem aqui e não são muito agressivas a demonstrar a sua opinião, por isso será bom fazer o protesto aqui e permitir que as pessoas caminhem connosco", explica uma jovem manifestante.

"Este é um problema com as nossas liberdades, não é apenas sobre a lei da extradição. Todos devem beneficiar de liberdade, por isso temos que nos juntar aos protestos. Uma vez implementada esta lei, o povo de Hong Kong vai perder as liberdades que lhe restam", diz um reformado numa das manifestações.

A noite de sábado terminou com confrontos com a polícia, pelo menos 20 pessoas foram detidas.

Hong Kong vive nove semanas de contestação social, iniciada com o plano das autoridades para legalizar a extradição de cidadãos da região autónoma para serem julgados na China continental.