A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Romenos pressionam autoridades após morte de jovem de 15 anos

Romenos pressionam autoridades após morte de jovem de 15 anos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O centro de Bucareste converteu-se numa espécie de santuário a céu aberto. Velas, fotografias e cartazes recordam a trágica morte de Alexandra Macesanu, uma jovem romena de 15 anos que confiou na polícia, mas não foi ajudada a tempo.

Um caso que funcionou como rastilho de pólvora para protestos contra as autoridades do país, com mensagens claras.

"Não se trata apenas de uma situação trágica singular. Pode até não ter o mesmo nível de visibilidade, mas a violência contra as mulheres acontece todos os dias", denunciou, em entrevista à Euronews, a ativista e investigadora Irina Ilisei.

Números oficiais revelam que a violência contra as mulheres tem vindo a aumentar no país. Alexandra é disso exemplo. Foi assassinada por um sequestrador depois de chamar a polícia três vezes. Primeiro violada, depois morta e esquartejada, acabou também por ser queimada por um homem de 65 anos.

No ano passado registaram-se mais de 35 mil casos de violência doméstica e de género. Uma média de quase cem casos por dia.

O presidente romeno, Klaus Iohannis, prometeu punir todos os responsáveis pelo trágico episódio. A primeira-ministra, Viorica Dăncilă, por outro lado, demitiu ministros e chefes de polícia.

Mas as autoridades denunciam uma falta de cuidado com estratégias de recursos humanos e muito pouco envolvimento político.

"Sempre que uma nova figura política toma posse, nomeiam-se novos chefes de instituições subordinadas e o objetivo é servir interesses específicos", denunciou Gabriel Gîrniță, vice-presidente do sindicato de polícia Europol.

Em 2018, cerca de quatro mil crianças desapareceram, de acordo com documentos oficiais, e 400 nunca chegaram a ser encontradas.

As suspeitas apontam para redes de tráfico de pessoas, outro ângulo na investigação ao homicídio de Alexandra.

A Roménia está constantemente na lista dos cinco países da União Europeia com maior número de vítimas de tráfico humano. Meninas e jovens são levadas para o Reino Unido, Alemanha, Itália, França ou Espanha para exploração sexual.

"O facto de o cidadão romeno precisar de uma vida melhor ou de procurar um emprego melhor é perfeitamente justificável. Mas esta não é a causa do tráfico humano. Quando se tem, por exemplo, uma elevada procura de serviços sexuais e há muito dinheiro a realizar, é o momento em que as organizações criminais entram em ação", lembrou Ciprian Ghituleasa, da agência romena antitráfico.

Laurentiu Colintineanu, Euronews - A consternação pública no rescaldo do homicídio de Alexandra Macesanu está a aumentar a pressão sobre o governo para fazer reformas nos serviços romenos da linha da frente. Especialmente no que diz respeito à polícia e ao sistema judicial. Mas num país em que a violência doméstica continua a ser uma realidade, a morte trágica da jovem pode ser um catalisador de mudança não só ao nível estatal como também de mentalidade para os romenos.