A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Dez semanas de protestos em Hong Kong

Dez semanas de protestos em Hong Kong
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo décimo fim de semana consecutivo, manifestantes e polícia confrontam-se nas ruas de Hong Kong.

No sábado foram detidas 16 pessoas em Sham Shui Po. Os protestos deste domingo concentram-se no distrito de Wan Chai, com a polícia a utilizar gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes e os participantes a lançarem bombas incendiárias.

A área das chegadas do aeroporto está ocupada pelos manifestantes há três dias. Os jovens estão na linha da frente, exigindo liberdade para Hong Kong, de acordo com as garantias de 1997, nomeadamente um sistema judicial independente da China continental, acordado sob o lema "um país, dois sistemas".

O movimento de protesto, que começou em resposta a uma lei agora suspensa que teria permitido que os suspeitos de crimes ou delitos cometidos no território fossem extraditados para serem julgados na China continental, tem vindo a crescer.

A crise de Hong Kong é um grande desafio para Pequim, que começou a exercer pressão sobre os gigantes corporativos como a Cathay Pacific Airway para que suspendam os funcionários envolvidos nos protestos. Depois de alguma hesitação, a companhia aérea começou a acatar os conselhos do governo chinês.

Desde o início dos protestos, em junho, já foram detidas 600 pessoas.