A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Japão e EUA desiludidos com Coreia do Sul

Japão e EUA desiludidos com Coreia do Sul
Direitos de autor
Kyodo/via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Japão pediu à Coreia do Sul para reconsiderar a decisão de pôr fim ao acordo bilateral de troca de informação militar, assinado em 2016.

Os dois países atravessam atualmente uma crise comercial e diplomática com origem num contencioso da época da colonização nipónica.

Os Estados Unidos temem que as más relações entre os seus dois aliados ponham em risco a segurança na região.

Em visita ao Canadá, o secretário de Estado norte-americano disse estar "desiludido" com a decisão sul-coreana. Mike Pompeo apelou aos dois países "para continuarem o diálogo" e frisou que "os interesses comuns do Japão e da Coreia do Sul são importantes, nomeadamente para os Estados Unidos".

Em declarações aos jornalistas antes de partir para França para participar no G7, o primeiro-ministro japonês acusou Seul de "prejudicar as relações de confiança" com a decisão. Shinzo Abe sublinhou, no entanto, que o fim do acordo não deverá ter um impacto negativo na cooperação trilateral com Washington.

Em Seul, o vice-diretor da Segurança Nacional sul-coreana, Kim You-geun, afirmou que "na situação atual, o governo decidiu que manter o acordo, assinado com o objetivo de partilhar informação militar sensível em termos de segurança, não serve os interesses nacionais".

As autoridades sul-coreanas precisaram, no entanto, que continuará a haver uma troca de informação tripartida, envolvendo os Estados Unidos. Washington está particularmente preocupada com a atividade militar da Coreia do Norte, que realizou seis testes com mísseis em menos de um mês.