EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Estudantes juntam-se à greve e às manifestações em Hong-Kong

Estudantes juntam-se à greve e às manifestações em Hong-Kong
Direitos de autor REUTERS/Kai Pfaffenbach
Direitos de autor REUTERS/Kai Pfaffenbach
De  Maria Barradas com Reuters, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os estudantes do ensino secundário e os trabalhadores de um hospital juntaram-se à greve e às manifestações desta segunda-feira em Hong Kong.

PUBLICIDADE

É mais um dia de protestos em Hong Kong após o fim de semana de tumultos mais violentos.

Esta segunda-feira, os estudantes das escolas secundárias responderam ao apelo à greve e juntaram-se à manifestação pró democracia na Praça de Edimburgo. Um dos jovens explica as razões pelas quais se juntaram ao protesto:

"A razão pela qual me atrevo a sair e a juntar-me à multidão não é porque quero mudar tudo na sociedade, mas quero dizer a todos que nesta sociedade, este grupo de jovens são pessoas com esperança e queremos que nos ajudem e nos apoiem. E quer nos apoiem ou não, esperamos que não utilizem violência contra nós".

Também os trabalhadores do Hospital Queen Mary decidiram juntar-se ao protesto realizando uma cadeia humana ao longo dos corredores do hospital.

A greve desta segunda-feira segue-se a um dos fins de semana mais violentos que a cidade conheceu desde o início dos protestos. O assessor do chefe da polícia, Mak Chin-ho, disse, em conferência de imprensa, que os manifestantes não têm qualquer respeito pela segurança nem pela vida das pessoas: "Os manifestantes radicais agora usam bombas de gasolina que podem queimar mais e mais violentamente, causando mais danos. Se alguém for atingido por uma bomba de gasolina, as consequências podem ser inconcebíveis. Estamos a ver que os manifestantes radicais perderam completamente o controlo e não têm nenhuma consideração pela vida e segurança do público ".

No último fim de semana 159 pessoas foram detidas, a mais nova das quais com 13 anos.

Em resposta às declarações da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, que instou o governo de Hong Kong a respeitar o direito de manifestação e expressão, Pequim pede a Bruxelas que apoie o governo do território, em vez de criticar. A China considera que nenhum governo europeu ficaria quieto com tumultos assim no seu país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Justiça de Hong Kong anula algumas condenações de sete ativistas da democracia

"Agricultores guerreiros" próximos da extrema-direita fizeram protesto "convivial"

Geórgia numa encruzilhada à medida que lei da influência estrangeira aprofunda divisões