EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Justiça de Hong Kong anula algumas condenações de sete ativistas da democracia

Lai e Lee Cheuk-yan, encontram-se detidos e foram levados para o tribunal em carrinhas dos serviços penitenciários.
Lai e Lee Cheuk-yan, encontram-se detidos e foram levados para o tribunal em carrinhas dos serviços penitenciários. Direitos de autor Louise Delmotte/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Louise Delmotte/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sete dos mais proeminentes defensores da democracia de Hong Kong viram parte das condenações, pelo seu papel nos fortes protestos pró-democracia de 2019, anuladas.

PUBLICIDADE

Sete dos mais proeminentes defensores da democracia de Hong Kong viram parte das suas condenações anuladas pelo seu papel num dos maiores protestos pró-democracia de 2019.

Um tribunal de Hong Kong ilibou esta segunda-feira sete figuras pró-democracia - incluindo o magnata dos media Jimmy Lai e os advogados Martin Lee e Margaret Ng - de organizarem uma manifestação contra a lei da extradição em 2019. No entanto, as suas condenações e sentenças relacionadas com a participação nesse protesto foram mantidas.

Na segunda-feira, o Tribunal de Recurso proferiu o seu veredito sobre o recurso apresentado por Lai, Martin Lee, Ng, os ativistas Lee Cheuk-yan e Leung Kwok-hung, e os antigos legisladores Cyd Ho e Albert Ho, que foram considerados culpados de organizar e participar conscientemente numa assembleia não autorizada em 18 de agosto de 2019. 

Em abril de 2021, foram condenados a uma pena máxima de 18 meses de prisão, mas algumas penas foram suspensas.

Os requerentes foram agora ilibados da acusação de organização de uma reunião não autorizada e viram revogadas as respetivas sentenças, enquanto a acusação de participação consciente numa reunião não autorizada foi mantida.

A decisão foi proferida mais de oito meses depois de o pedido de recurso ter sido ouvido pela primeira vez durante vários dias em novembro do ano passado. Os juízes de recurso Andrew Colin Macrae, Maggie Poon e Anthea Pang disseram na altura que iriam proferir a decisão no prazo de seis meses.

Após a decisão, a advogada Ng disse aos jornalistas, no exterior do Supremo Tribunal, que tinha de estudar o acórdão e analisar o que o tribunal de recurso tinha dito antes de fazer mais comentários sobre o caso ou de decidir qual seria o seu próximo passo.

Lai e Lee Cheuk-yan, que se encontram atualmente detidos, foram levados para o tribunal em carrinhas dos serviços penitenciários. Leung, que também se encontra em prisão preventiva, não esteve presente, pois estava a assistir ao julgamento sobre segurança nacional, no qual é arguido e que envolve 47 ativistas pró-democracia de Hong Kong.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Começaram as alegações finais do julgamento de dezenas de ativistas em Hong-Kong

A democracia está em risco de extinção?

Comprar peças originais sem ir à falência: bem-vindos à feira de arte acessível de Hong Kong